A pandemia está a acelerar em África, sendo necessários kits de teste, diz OMS

A pandemia está a acelerar em África, sendo necessários kits de teste, diz OMS

A pandemia de coronavírus está se a acelerar em África, espalhando-se para o interior das capitais, aonde chegou com os viajantes, informou a Organização Mundial da Saúde na Quinta-feira.

Mas a OMS diz que não há indicação de que casos graves e mortes estejam a ser perdidos, nem o vírus causou infecções significativas em campos de refugiados em todo o continente.

Dez países estão a liderar a epidemia em África, representando 75% dos cerca de 207.600 casos no continente, com 5.000 mortes relatadas, segundo Matshidiso Moeti, director regional da OMS em África.

A África do Sul, que no mês passado iniciou uma redução gradual do bloqueio, é a mais atingida, respondendo por um quarto de todos os casos, disse ela.

“Embora esses casos em África representem menos de 3% do total global, está claro que a pandemia está a acelerar-se”, disse Moeti numa entrevista colectiva a correspondentes da ONU em Genebra. “Acreditamos que um grande número de casos graves e mortes não estão a ser esquecidos em África”.

A população de África é relativamente jovem e muitos países já haviam estabelecido medidas de triagem de “ponto de entrada” contra a febre do Ébola – dois factores que até agora limitaram a disseminação da Covid-19, disse ela.

Mas os bloqueios e fechos de mercados destinados a conter o contágio por coronavírus afectaram pesadamente as comunidades marginalizadas e as famílias de baixa renda, disse Moeti.

Na África do Sul, altos números de casos diários e mortes estão a ser relatados em duas províncias, o Cabo Ocidental e o Cabo Oriental, disse ela, acrescentando: “Especificamente no Cabo Ocidental, onde estamos a ver a maioria dos casos e mortes, a tendência parece ser semelhante ao que estava a acontecer na Europa e nos EUA“.

Um grande desafio no continente continua a ser a disponibilidade de kits de teste, disse Moeti.

Pontos quentes” do coronavírus estão na África do Sul, Argélia e Camarões: OMS

A África terá um “aumento constante” nos casos de Covid- 19 até que uma vacina seja desenvolvida e fortes medidas de saúde pública sejam necessárias nos actuais “pontos quentes” na África do Sul, Argélia e Camarões, informou nesta Quinta-feira a Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Até ao momento em que tenhamos acesso a uma vacina eficaz, receio que provavelmente tenhamos que viver com um aumento constante na região, com alguns pontos quentes que precisam ser geridos em vários países, como está a acontecer agora na África do Sul, Argélia e Camarões, por exemplo, que exigem medidas de saúde pública muito fortes, medidas de distanciamento social para ocorrer ”, disse Matshidiso Moeti, director regional da OMS em África, numa entrevista em Genebra.