Coreia do Norte adverte EUA a ‘não se intrometer’ na relação com Coreia do Sul

Coreia do Norte adverte EUA a ‘não se intrometer’ na relação com Coreia do Sul

Nesta Quinta-feira (11), a Coreia do Norte aconselhou Washington a “manter a boca fechada” sobre os assuntos inter-coreanos, segundo o director-geral do Departamento de Assuntos Norte-americanos do Ministério das Relações Exteriores norte-coreano, Kwon Jong Gun.

Em comunicado divulgado pela agência de notícias KCNA, Kwon Jong Gun definiu as atitudes dos EUA como “desagradáveis”, aconselhando os norte-americanos a “ficarem de boca fechada e cuidarem dos seus assuntos internos primeiro”, se Washington quiser evitar um “susto” e garantir a “celebração tranquila” das eleições presidenciais de Novembro.

“Ninguém tem o direito de se intrometer nas relações inter-coreanas, pois as relações pertencem aos assuntos internos da nação coreana de A a Z”, afirmou Kwon.

A declaração ocorreu depois que o Departamento de Estado dos EUA afirmou que estava decepcionado com a Coreia do Norte após a nação asiática ter suspendido, nesta Terça-feira (9), as linhas directas de comunicação com a Coreia do Sul, em protesto às autoridades sul-coreanas por permitirem “desertores” trocarem informações através da fronteira, um acto hostil que viola uma série de acordos de paz entre os dois lados, informa a KCNA.

Além disso, Kwon Jong Gun comentou que está cansado da “dupla face dos EUA”, no sentido de que parecem “ansiosos em deter as relações inter-coreanas, quando mostram sinais de progresso”, porém “actuam quando parecem que as relações pioram”.

Analistas afirmam que o impasse nas negociações levou a Coreia do Norte a direccionar as frustrações para Seul e não para Washington, realizando uma série de testes de armas nos últimos meses.

Seul e Washington são aliados, e os EUA mantêm aproximadamente 28.500 soldados na Coreia do Sul para proteger o país vizinho do Norte.