Artistas no Huambo orientados a observar medidas de biossegurança contra a Covid-19

Artistas no Huambo orientados a observar medidas de biossegurança contra a Covid-19

Esta chamada de atenção foi feita pelo chefe do Departamento da Acção Cultural nesta região, Pascoal Pedro Nhanga, durante um encontro com os responsáveis das associações culturais, que serviu para informá-los sobre as medidas de segurança que devem adoptar nos espectáculos e eventos do género.

Segundo o responsável, é importante que esta franja da sociedade coloque à disposição do público produtos essenciais de biossegurança, além do cumprimento das medidas de distanciamento físico e uso correcto de máscara em todas as actividades culturais e recreativas, para uma melhor prevenção e combate desta pandemia.

Disse que os promotores culturais devem posicionar-se na dianteira, no que tange à prevenção e combate da gripe por coronavírus (covid-19), sensibilizando a população a ganhar o hábito de lavagem constante das mãos e higienização dos espaços.

Por esta razão, Pascoal Pedro Nhanga referiu que o Gabinete da Cultura, Turismo, Juventude e Desportos vai passar a fiscalizar, de forma rotineira e escrupulosa, todas as actividades culturais, de modo a punir os promotores que negligenciarem os métodos de biossegurança.

“Em breve, deverão ser reabertos, de forma gradual, os espectáculos. Nestas condições, o cumprimento obrigatório das medidas de segurança, estipuladas pelo Estado de Calamidade, que o país observa, deve ser da responsabilidade de todos, particular realce, dos promotores de eventos”, frisou.

No encontro foram abordadas temáticas sobre o Estado de Calamidade, realidade actual das associações culturais, a inventariação dos artistas individuais, grupos e associações culturais.

Na província do Huambo, habitado por dois milhões, 519 mil e 309 habitantes, são controladas doze associações culturais, distribuídas nos 11 municípios.