PRS leva mensagem de prevenção contra a Covid-19 aos municípios do Huambo

PRS leva mensagem de prevenção contra a Covid-19 aos municípios do Huambo

O objectivo é o de sensibilizar as comunidades para se prevenir e evitar o contágio, afirmou a OPAÍS o secretário provincial do PRS, Soliya Selende.

Em contacto telefónico, a partir do Huambo, informou que esta semana trabalhou nos municípios do Ukuma e do Cachiungo, onde sensibilizou as populações, ofereceu máscaras e produtos de cesta básica às comunidades mais carenciadas.

A acção, que o responsável enquadrou no âmbito da responsabilidade social do seu partido, estender-se-á aos municípios de Chinjenje, Longonjo, Ekunha, Bailundo, Mungo e Londuimbali, depois de ter estado noutras circunscrições.

Explicou que apesar da mensagem de sensibilização do Governo e das autoridades sanitárias, é necessário continuar-se a falar com as comunidades, sobretudo nas áreas rurais, onde alegou haver desconhecimento dos cuidados a ter.

“Ainda observamos desconhecimento das nossas populações sobre o perigo que representa esta pandemia”, disse, Soliya Selende.

Segundo o político do PRS, as deslocações aos municípios estão a ser aproveitadas também para distribuir géneros alimentícios aos que mais necessitam.

Informou que, além das comunidades rurais, mesmo na cidade e periferia da cidade do Huambo, há famílias que passam fome por falta de dinheiro para comprar alimentos, daí a necessidade de se continuar a prestar ajudas.

No que concerne ainda à sensibilização sobre o perigo que representa a Covid-19, Soliya Selende defendeu mais difusão da mensagem nos meios rurais, onde disse haver pessoas cépticas sobre a existência desta pandemia.

Referiu que há quem ignore ainda o uso da máscara e a higienização das mãos com álcool gel, além de que muitos não têm dinheiro para aquisição destes meios de prevenção.

Na sua opinião, o Governo, os partidos políticos e a sociedade civil devem redobrar as doações destes meios às pessoas mais necessitadas, numa altura em que o gráfico de casos positivos em Angola continua a subir nos últimos dias.

“Estamos proibidos de parar, temos de continuar a fazer este exercício, porque, senão, podemos perder o controlo da situação”, alertou, para quem a única arma de se defender desta pandemia é a prevenção, que consiste no acatamento dos conselhos das autoridades sanitárias.

Pobreza no Ukuma

Em conversa com este jornal, Soliya Selende deplorou a pobreza no seio das comunidades das aldeias de Missassa, Chirimba, Catanda, Chissequele e Chosseque no município do Ukuma.

“É visível a miséria no rosto de muitas famílias destas comunidades, é preciso que cada um de nós faça a sua parte para acudirmos a situação”, apelou o político.

Disse ser inacreditável que depois de 18 anos de paz ainda vivam pessoas em condições de indigência e mendicidade, entre crianças, adultos, jovens e velhos, realçando que a situação poderá piorar caso não haja uma intervenção urgente.

Soliya Selende disse ainda que a pobreza está a ganhar contornos imprevisíveis, numa altura em que com a crise da Covid-19 muitas empresas estão a fechar as portas, deixando muitos trabalhadores no desemprego.