Capital e províncias chinesas impõem restrições de viagens à medida que aumentam os casos de Coronavírus

Capital e províncias chinesas impõem restrições de viagens à medida que aumentam os casos de Coronavírus

O centro financeiro de Xangai exigiu que alguns viajantes de Pequim ficassem em quarentena por duas semanas, pois 27 novos casos de Covid-19 elevaram o actual surto da capital para 106 desde Quinta- feira.

O coronavírus foi identificado, pela primeira vez, em Dezembro num mercado de frutos do mar em Wuhan, capital da província chinesa central de Hubei, e desde então se espalhou pelo mundo, infectando mais de 8 milhões de pessoas e matando mais de 436.000.

O novo surto, em Pequim, foi localizado no amplo centro comercial de alimentos Xinfadi, no Sudoeste de Pequim, onde milhares de toneladas de vegetais, frutas e carne trocam de mãos todos os dias.

Na Segunda-feira, Pequim havia designado 22 bairros como áreas de risco médio, exigindo que sujeitassem as pessoas que entrassem a verificações e registos de temperatura.

Os chamados grupos de alto risco em Pequim, incluindo pessoas que são contactos próximos de casos confirmados, não podem deixar a cidade, informaram medias estatais, citando autoridades municipais.

Todos os serviços de táxi e circulação de automóveis foram suspensos. Algumas rotas de autocarros de longa distância entre Pequim e províncias próximas de Hebei e Shandong foram interrompidas.

Pelo menos três serviços de autocarros de Hebei e outro da Mongólia Interior para o Aeroporto Capital de Pequim, um importante centro de trânsito regional, foram suspensos.

Os serviços de autocarro de Hebei para Daxing, outro grande aeroporto de Pequim, foram reduzidos. Alguns serviços de autocarros de longa distância de Pequim até Hebei também foram interrompidos.

As estradas para fora da capital continuaram abertas. Preocupadas com os riscos de contágio, muitas províncias impuseram requisitos de quarentena aos visitantes idos de Pequim.

Nos últimos três dias, Hebei, Liaoning e Sichuan relataram novos casos relacionados ao centro de comércio por atacado de Pequim. Na Terça-feira, Xangai começou a exigir que os viajantes das áreas Covid-19 de risco médio a alto na China estivessem em quarentena por 14 dias.

“Estou tão preocupado com Xangai – basta olhar para os novos casos em Pequim”, disse Wang Jiahe, 22 anos, estudante universitário.

“Há muito tráfego aéreo e rodoviário diariamente (entre as cidades).” As apostas são altas para Xangai, que foi convidada para sediar duas corridas de Fórmula 1 nesta temporada. As companhias aéreas dos EUA também estão prontas para retomar os vôos para a cidade.

Modo “Tempo de Guerra”

Embora não esteja num bloqueio no estilo Wuhan, Pequim entrou no modo “tempo de guerra” em nível distrital, com os bairros a instalarem postos de segurança 24 horas, fechando escolas e proibindo banquetes de casamento.

Durante a noite, algumas partes de Pequim, incluindo os antigos bairros hutong da cidade, foram cercados, com alguns pontos de entrada únicos imponentes.

“O meu bairro tem quatro ou cinco vias de entrada e, quando os controlos vieram, apenas a entrada Sul estava aberta, e agora precisamos mostrar os nossos cartões de entrada e medir a temperatura”, disse um homem que se identificou por Zhao, que vive no Nordeste de Pequim.

“É um bairro grande com muitos funcionários de escritório, por isso é extremamente inconveniente para muitas pessoas”. No entanto, em Huaxiang, o único bairro actualmente designado como de alto risco, alguns moradores exigiram que as autoridades impusessem protocolos de rastreamento de contacto mais rigorosos.

As autoridades confiam nas pessoas para se identificarem como tendo visitado Xinfadi, a 9 Km de distância, disseram os moradores.

“Como você pode esperar que as pessoas sejam honestas o suficiente para denunciar voluntariamente os seus vínculos com Xinfadi?”, questionou um morador de Huaxiang de sobrenome Yuan.

“Como estamos no modo ‘tempo de guerra’, as autoridades locais devem testar todos.”

Centenas de trabalhadores do sector de catering ficaram numa fila para serem testados num local no centro de Pequim na Terça-feira, muitos deles aguardando mais de uma hora sob o calor do Verão.