Índia diz que três soldados foram mortos em confronto violento na fronteira com a China

Índia diz que três soldados foram mortos em confronto violento na fronteira com a China

Fontes do Governo indiano disseram que nenhum tiro foi disparado, mas houve um confronto físico entre os dois lados com soldados a usar bastões e arremessando pedras, o que resultou nas baixas.

A China culpou a Índia pelo confronto, na Segunda-feira, e o editor do Global Times, controlado pelo Governo, disse que os militares chineses também sofreram baixas. Índia e China estão num impasse no vale Galwan, no Oeste do Himalaia, há semanas, acusando- se de invasão mútua de território do outro.

As negociações para retirar centenas de tropas destacadas na região remota foram realizadas nos últimos 10 dias, mas não houve avanço.

“Durante o processo de reescalonamento em andamento no vale de Galwan, um confronto violento ocorreu ontem à noite com vítimas de ambos os lados”, disse o exército indiano em comunicado.

“A perda de vidas no lado indiano inclui um oficial e dois soldados. Altos oficiais militares dos dois lados estão, actualmente, reunidos no local para amenizar a situação.”

O oficial que morreu era um coronel, disseram as fontes. A Índia e a China travaram uma breve guerra de fronteira em 1962 e não foram capazes de resolver a disputa de fronteiriça, apesar das negociações se espalharem por duas décadas.

Os guardas de fronteira tiveram escaramuças, até pelejas quando as patrulhas se enfrentaram, mas não houve perda de vidas na fronteira desde que eclodiram confrontos sangrentos no Leste do Himalaia, em 1967.

O Ministério das Relações Exteriores da China exortou a Índia a não tomar nenhuma acção unilateral ou criar problemas.

Culpa

Um porta-voz do ministério, em Pequim, disse que houve uma grave violação do consenso alcançado pelos dois países, quando tropas indianas provocaram e atacaram o pessoal chinês, levando a um sério confronto físico.

“O que é chocante é que, a 15 de Junho, o lado indiano violou severamente o nosso consenso e cruzou a fronteira duas vezes e provocou e atacou as forças chinesas, causando um violento confronto físico entre as duas forças fronteiriças”, disse Zhao Lijian aos repórteres em Pequim.

“A China está a levantar uma forte oposição e representações severas para o lado indiano”, disse. Não foram fornecidas informações sobre vítimas.

O editor-chefe do jornal Global Times da China disse que os militares chineses sofreram perdas, embora não esteja claro se foram mortes ou feridos.

“Com base no que sei, o lado chinês também sofreu baixas no confronto físico no Vale Galwan”, disse Hu Xijin num tweet. Ele não deu mais detalhes. O Global Times é publicado pelo Diário do Povo, o jornal oficial do Partido Comunista da China.

Os gigantes asiáticos têm reivindicações rivais de vastas extensões de território ao longo da sua fronteira montanhosa de 3.500 Km, mas as disputas permaneceram em grande parte pacíficas desde a guerra de 1962.

Oficiais militares indianos disseram que, anteriormente, soldados chineses entraram no lado da Índia da Linha de Controlo Real (LAC) ou da fronteira de facto em vários locais no início de Maio.

Durante as negociações, o lado indiano exigiu que os chineses retirassem as tropas, enquanto Pequim disse que Nova Délhi deve interromper a construção de estradas na área disputada.

“Isso é extremamente, extremamente sério, isso vai viciar qualquer diálogo”, disse o ex-comandante do exército indiano D. S. Hooda, comentando o confronto de Segunda-feira.

Os principais índices de acções da Índia.NSEI .BSESN caíram 0,8% cada após a notícia, mas recuperaram as perdas para fechar em torno de 1% a mais. A rupia indiana INR = D4 terminou em 76,21 em relação ao dólar, depois de cair anteriormente para 76,30, a menor desde 28 de Abril.