Hino da Dipanda desperta para a solidariedade e patriotismo

Patriotismo, esperança, mudança, solidariedade e reconstrução são algumas mensagens transmitidas no hino dos 45 anos da Independência Nacional, cuja concepção, produção e interpretação contou com a participação de 20 músicos.

O hino, de acordo com os artistas, convida a uma reflexão para um futuro próspero, deixando um sentimento de inclusão, alegria, orgulho de ser angolano, pela grande e rica história.

A propósito, os artistas destacam e valorizam a participação num tema que marca o início das comemorações dos 45 anos de Angola como país independente. Big Nelo, responsável da Karga Eventos, enaltece o espírito de camaradagem dos artistas que deram voz ao hino, destacando a disponibilidade e entrega de todos na concepção de um tema trabalhado em nome da união dos angolanos.

Adianta que o trabalho é ainda mais valorizado por ter congregado artistas de gerações diferentes e com experiência no mercado musical angolano.

Opinião idêntica é comungada por Bessa Teixeira, que destaca ainda a qualidade e o significado da letra da música. O artista manifesta satisfação por dar o seu contributo na feitura do hino dos 45 anos da Dipanda.

Para Eduardo Paím, o tema em causa foi idealizado para despertar os angolanos e contribuírem para uma Angola próspera para todos os angolanos Filipe Mukenga, Calabeto e Gabriel Tchiema dizem tratar-se de uma música que retrata da melhor forma possível os 45 anos de independência, reforçando o orgulho de se ser angolano.

 Calabeto reforça mesmo que os angolanos têm tudo para se rever neste hino, pois foi trabalhado a pensar nos ideais e no espírito da angolanidade.

Já Patrícia Faria destaca o facto de o hino remeter os angolanos ao patriotismo, ao amor à pátria e ao próximo, bem como à consciência de que o país necessita de todos para crescer e para prosperar.

“A vitória de um é uma vitória de todos”, recorda. Para Eva Rap Diva e Socorro, que destacam os ventos da mudança que se registam no país, todos devem dar o seu contributo no desenvolvimento e afirmação da identidade sócio-cultural angolana.

Com letra e música de Vladmiro Neto “Smash”, Osvaldo Batista “Dinamit”, Filipe Pedro “Diakota”, Henrique Cardoso “VC” e Romeu Máquina “Dr Romeu”, o hino tem voz de Bessa Teixeira, Calabeto, Filipe Mukenga, Eduardo Paim, Patrícia Faria, Gabriel Tchiema, Socorro, Yola Araújo, Matias Damásio, Big Nelo.

Sob produção musical de Heavy C e coordenação geral de Big Nelo dão ainda voz à música os artistas Nagrelha, Anna Joyce, Noite & Dia, Eva Rap Diva, Gerilson Insrael, Rui Orlando, Sandocam, Sandra Cordeiro, Vuivui e Cef.

Angola celebra, a 11 de Novembro, 45 anos de Independência num momento marcado por inúmeros desafios, com particularidade para a luta contra a pandemia da Covid-19.

leave a reply