Covid-19 vaza no INIS e contamina dois funcionários administrativos

As autoridades sanitárias registaram, nas últimas 24 horas, sete novos casos positivos da covid-19 e 11 pacientes recuperados

Entre os sete que se juntam aos mais de 150 cidadãos contaminados a nível nacional estão seis angolanos e um norte-americano que chegou ao país no dia 11 de Junho, pelo que as autoridades sanitárias consideram ser seis casos de contaminação local e um importado.

“Cumpre-nos informar que temos mais sete casos positivos, sendo dois de transmissão local, um importado e quatro com vínculo epidemiológico em estudo, com idades compreendidas entre os 29 e os 64 anos.

Um caso é do sexo feminino e seis do sexo masculino”, revelou.“Destes casos, dois são funcionários administrativos do INIS, que é o laboratório de referência nacional de contacto da Covid-19. Os mesmos foram diagnosticados no rastreio regular dos trabalhadores daquela instituição”, revelou, Franco Mufinda.

O secretário de Estado para a Saúde Pública disse, durante a apresentação do balanço diário sobre a pandemia no país, no auditório das Edições Novembro, em Luanda, que por causa dos dois funcionários administrativos que testaram positivo foram tomadas algumas medidas como o isolamento dos contactos directos.

Sobre a caracterização social e geo-localização dos mesmos, Franco Mufinda contou que o primeiro caso é de um norte-americano de 55 anos de idade, caso importado que desde que transpôs as fronteiras nacionais esteve em quarentena institucional até a data da sua testagem.

O segundo é um cidadão eritreu de 38 anos de idade, morador do distrito de Luanda, cujo vínculo epidemiológico está em estudo por ser desconhecido até ao momento.

O terceiro é um cidadão da Guiné Conacri, de 30 anos de idade, morador do bairro Hoji ya Hend que foi contaminado a nível local.

O quarto caso é de um cidadão de 29 anos de idade, morador do distrito da Samba. O Sambizanga passou desde ontem a figurar no mapa de casos de Covid-19 por municípios e distritos ao detectarse a existência do vírus num dos seus moradores, de 59 anos.

O vínculo epidemiológico deste cidadão nacional também está em estudo. O sexto caso é de um cidadão angolano de 36 anos de idade residente em Viana.

E o sétimo é uma cidadã de 64 anos de idade, angolana, moradora do Kilamba Kiaxi, Ambos têm os vínculos epidemiológicos em estudo.

Laboratório do INIS entra em funcionamento amanhã

Em consequência do facto de terem sido detectados dois casos positivos no INIS, iniciou-se ontem do processo de desinfecção de toda a instalação, pelo que actividades laborais aí retomam só amanhã, Terça-feira.

“Sendo assim, teremos nesses dias uma redução da capacidade de produção laboratorial pela paragem parcial deste que faz parte de um leque de três que apoiam a testagem da Covid-19 no nosso país”, disse Mufinda.

Segundo o secretário de Estado para a Saúde Pública, com a paralisação do INIS, o país terá uma baixa de 180 análises por dia.

Entretanto, apelou aos profissionais de saúde e outros que trabalham em locais de alto risco, e não só, ao cumprimento escrupuloso das medidas de protecção individual e colectiva.

11 dos internados na Zona Económica Especial receberam alta

Franco Mufinda disse, por outro lado, que, apesar dos sete casos registados nas últimas 24 horas, o país conseguiu recuperar 11 pessoas que estavam infectadas e internadas no Hospital de Campanha da Zona Económica Especial.

Nesse momento, o país conta com 183 casos positivos, dos quais nove óbitos, 77 recuperados e 97 activos. Dentre eles, 118 casos resultam de transmissão local.

Os demais são importados. O Centro Integrado de Segurança Pública (CISP) recebeu, em igual período, 55 chamadas, das quais duas foram alertas de casos suspeitos da Covid-19, investigados e descartados porque não reuniam pressupostos da doença.

Os autores das demais chamadas pediram informação sobre a doença. Em relação a actividades laboratoriais, Franco Mufinda fez saber que o país tem um acumulado até a presente data de 20.020 amostras colhidas, sendo 183 positivas, 16.071 negativas e 3.766 encontram-se em processamento.

“Nas últimas 24 horas os três laboratórios processaram 441 amostras, dentre elas sete foram positivas”, frisou.

Disse ainda que 677 pessoas observam a quarentena institucional em todo o país e que foram atribuídas altas a 25 pessoas, sendo 23 na província do Cunene e duas na Luanda-Norte. Franco Mufinda disse que há ainda 515 casos suspeitos investigados, enquanto os contactos sob investigação são 1.345 pessoas.

Mais de 70 pessoas regressam ao país em voos humanitários

“Ainda hoje [ontem] chegaram ao país 72 angolanos provenientes da Zâmbia e do Zimbabwe, no âmbito dos voos humanitários realizados pela Comissão Multissectorial”, revelou Franco Mufinda.

No mesmo dia, num outro voo proveniente da China chegaram ao país mais 16 toneladas de equipamento hospitalar, entre os quais ventiladores e camas hospitalares adquiridos pelo Executivo angolano.

Por outro lado, o governante fez saber que os trabalhos na província do Cuanza-Norte continuam a bom ritmo. Franco Mufinda reiterou o uso da máscara em locais indicados, a higienização das mãos com frequência, a não discriminação das pessoas que estão ou estiveram infectadas pela Covid-19, a observância do distanciamento físico e acatamento das medidas contidas no decreto de calamidade pública.

error: Content is protected !!