Angola a um passo dos 200 casos de Covid-19 com 15 fontes de transmissão desconhecidas

O número de infectados pelo novo Coronavírus tem aumentado gradualmente em Angola. Nas últimas 24 horas, foram confirmados mais oito novos casos positivos da Covid-19, dos quais seis com vínculo epidemiológico em estudo, revelou, ontem, em Luanda, o secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda

Franco Mufinda, que falava na habitual actualização de dados sobre a pandemia no país, esclareceu que, dos oito novos casos, dois são de transmissão local e seis com vínculo epidemiológico em estudo.

Sobre a caracterização social e geolocalização dos mesmos, Franco Mufinda esclareceu que os infectados são angolanos, sendo que o primeiro é um cidadão de 37 anos de idade, caso de transmissão local, morador no distrito de Luanda.

O segundo tem 42 anos de idade, morador de Belas, caso de transmissão local.

O terceiro indivíduo, de 39 anos de idade, reside no município de Talatona e o seu vínculo epidemiológico está em estudo.

O mesmo sucede com uma cidadã de 28 anos de idade, a quarta infectada, moradora no distrito de Luanda. Neste mesmo distrito residem a quinta, de 34 anos de idade, a sexta, de 52 anos de idade, a sétima, de 46 anos de idade, e o oitavo, por sinal o mais novo, com sete anos de idade.

Entretanto, contas feitas pelo OPAÍS, sobe para 15 o número de casos de transmissão em que se desconhece a fonte de transmissão ou o vínculo epidemiológico, sendo que a última informação apontava para nove casos.

Assim sendo, a estatística aponta para 197 casos positivos (193 na província de Luanda, e quatro no Cuanza-Norte), dos quais 10 óbitos, 77 recuperados e 110 activos. A transmissão local conta por agora com 132 casos.

Por outro lado, o laboratório, nas últimas 24 horas teve um registo de 294 amostras, das quais oito foram positivas e 286 negativas.

“O cumulativo do trabalho do laboratório até esta data aponta para 22.051 amostras recebidas, das quais 197 positivas, 17.193 negativas e o resto encontra- se em processamento”, contou.

O governante disse ainda que se encontram em quarentena institucional no país 1.045 pessoas e, nas últimas 24 horas, 60 pessoas receberam alta, sendo 44 na província de Luanda, sete em Cabinda, cinco no Moxico, três no Uíge e uma no Cuando Cubango.

Casos sob investigação chegam a 1.359

Franco Mufinda fez saber que os casos suspeitos investigados são 515, enquanto sob investigação e vigilância estão 1.359 casos.

Disse que o Centro Integrado de Segurança Pública (CISP) registou 62 chamadas, das quais cinco denúncias de violação do estado de calamidade pública e 57 pedidos de informação sobre a Covid-19. Em termos de actividade realizada fora da capital do país destacam- se as províncias de Cabinda, Bengo, Cunene, Huambo, Cuanza- Norte e Bié com formação e capacitação dos professores sobre as medidas de prevenção da Covid-19, palestras e seguimento dos contactos.

Rastreio em consultas de síndrome respiratória intensificados

Franco Mufinda disse, ontem, que se iniciou uma certa intensificação de alguns estudos e rastreio nas consultas externas nos casos de síndrome respiratória.

“É um estudo para poder dar resposta a esses casos que vão aparecendo sem, obviamente, que se tenha o vínculo epidemiológico bem estabelecido”, contou.

O secretário de Estado para a Saúde Pública reiterou o uso da máscara, a lavagem das mãos com frequência com água e sabão, a observância do distanciamento físico, a não violação das cercas sanitárias, bem como a não discriminação das pessoas infectadas com Covid-19 e, sobretudo, o acatamento das medidas contidas no decreto sobre a calamidade pública.

De recordar que o novo Coronavírus (SARS-CoV-2), responsável pela pandemia da Covid-19, surgiu na China em Dezembro de 2019. O surto espalhou-se pelo mundo e já vitimou centenas de milhares de pessoas, tendo levado a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia global.

error: Content is protected !!