“Angola precisa ter uma produção agrícola e industrial forte”

O director adjunto da Companhia de Bioenergia de Angola (Biocom) Luís Bagorro Júnior disse que Angola precisa ter uma produção agrícola e industrial forte, e depender cada vez menos da indústria petrolífera, pelo que a Biocom continua a produzir para atingir tal desiderato

O responsável que falava em entrevista exclusiva a este jornal avançou que tal desiderato só será possível com a promoção e protecção da produção nacional, como ocorre a partir dos programas e medidas implementadas pelo Executivo.

E por outro lado, referiu que deve existir entendimento entre o Governo, industriais, comerciantes, quer grossistas ou retalhistas, e toda população em si de que é fundamental produzir no país e não somente importar.

Para o gestor este é um dos principais desafios da Biocom e para o efeito estão a ser feitos avanços importantes.

“Estamos a obter alguns resultados. Porém, é necessário um estreito acompanhamento”, disse.

Salientou ainda que a indústria nacional precisa ter prioridade para que o país possa crescer, criar empregos e melhorar a qualidade de vida dos angolanos.

Neste momento, a empresa já formou mais de 200 jovens nas áreas agrícolas, equipamentos e industrial. Segundo o gestor, as acções formativas dentro da Biocom são regulares e contínuas, desde o ingresso.

As formações estendem-se ao longo da construção da carreira, uma vez que estão estruturadas para atenderem a dinâmica do negócio que é cíclico.

Salientou que os integrantes são formados de acordo com a necessidade das diferentes áreas e guiados pelo plano de carreira da empresa que passa desde a formação de operadores de máquinas, segurança, treinamento e actualização para motoristas canavieiros, bombeiros, pranchas e outros.

“Como fiz referência, as nossas acções formativas são contínuas, pois obedecem ao plano de melhoria contínua das competências individuais e colectivas para atender às exigências do negócio”, referiu. Relativamente ao recrutamento, além das 563 novas contratações, a empresa tem em processamento aproximadamente 250 novas oportunidades de trabalho que deverão ser efectivadas nos próximos meses.

Medidas implementadas

Com a Covid-19, a empresa tomou algumas providencias cautelares assentes num plano de contingência, onde por exemplo, os trabalhadores que retornaram do exterior passaram a cumprir uma quarentena de 14 dias na cidade de Luanda, para fins de prevenção.

Foram também limitadas, ao estritamente necessário, e ou suspensas as viagens de trabalho. Luís Bagorro Júnior disse ainda que foram também reforçadas as medidas de higienização pessoal nos locais de trabalho e transportes colectivos, assim como adoptado o distanciamento social no refeitório e postos de trabalho a partir da redefinição das equipas e horários.

A Biocom desenvolveu também um amplo trabalho contínuo, até hoje, de informação e formação com a distribuição, a todos os trabalhadores, de cartelas informativas, palestras e briefings diários sobre o Coronavírus, acção esta que é extensiva aos prestadores de serviços, mediante a entrega e controlo nas portas de acesso à empresa.

“É assim que apesar de tudo não paramos a nossa produção”, disse tendo acrescentado que “adaptamo-nos à situação para produzir o açúcar, álcool neutro e energia eléctrica renovável, tão importantes neste momento para o nosso país”, rebateu.

Sobre a Biocom

A Companhia de Bioenergia de Angola (Biocom) é a primeira empresa angolana a produzir e a comercializar açúcar, etanol e energia eléctrica a partir da biomassa, e tem como visão, contribuir para o desenvolvimento de Angola por meio da produção de alimentos, energia eléctrica e de combustíveis desde fontes renováveis.

Criada em 2008, a sua primeira safra experimental aconteceu em 2014 com a produção de três mil toneladas de açúcar.

A unidade está implantada no Pólo Agro-industrial de Capanda, no município de Cacuso, numa área de 81 mil e 201 hectares, dos quais 11 mil e 55 estão reservados à preservação da fauna e flora, 70 mil e 102 hectares virados à produção agrícola.

error: Content is protected !!