Adiamento da retoma dos cultos em Luanda atrapalha projecto cultural rentável da Associação de Músicos Cristãos

As actividades de carácter mensal visam acudir os músicos gospel, que desde Março estão se sem rentabilizar, por falta de actividades. A associação, que funciona há 20 anos, tem como objectivo proteger os membros e também desenvolver a arte cultural no seio da população cristã

Associação de Músicos Cristãos de Angola (Asso-música) viu o seu projecto de cariz cultural “Ministério de louvor e adoração” adiado devido à prorrogação da proibição de cultos em Luanda e no Cuanza-Norte, anunciada dois dias antes da sua provável retoma (24), pela ministra da Saúde e porta-voz da Comissão Interministerial, Sílvia Lutukuta, por estas províncias registarem casos crescentes da doença no novo Coronavírus.

Com as actividades projectadas, entre concertos e palestras, em função do Decreto Presidencial sobre a situação de calamidade pública, que orientava a retoma de realização de cultos em todo o país a partir daquela data, para além de contribuir para o crescimento profissional dos membros (com relação a técnicas artísticas) e ampliação espiritual, visavam angariar fundos para apoiar no sustento dos músicos gospel.

O presidente da associação, Paulo Paz, disse que o projecto, de cariz nacional, estava previsto a começar nos vários bairros da cidade capital, como no Distrito Urbano do Sambizanga e no distrito do Rangel, onde pretendiam acolher mais de 50 fiéis, com base nas medidas preventivas contra da doença. Mas o arranque do mesmo foi adiado, por ser também de cariz religioso.

Pretendem com este esboço criar espaços para instruir e formar os membros no que tange ao crescimento espiritual, aperfeiçoamento dos talentos gospel, formação técnica de vocalização e instrumentalização, exibição de concertos, apoio a novos valores, por forma a criar um espaço para o fomento profissional.

“Vamos seguir as orientações das autoridades competentes sobre as instruções para a realização de acções do género, porque também estamos preocupados com o bemestar dos cidadãos. Pretendíamos realizar várias actividades, para além dos cultos, que dariam alguma rentabilidade para o sustento dos próprios artistas”, esclareceu a OPAÍS.

Paulo Paz lembrou que, desde Março, os talentosos estão sem rentabilizar, por falta de actividades, motivo pela qual pretendiam desenvolver o projecto. Avançou que a associação funciona há cerca de 20 anos e, para além de proteger os mais de 3 mil artistas juridicamente e os seus direitos e autores, tem o pendor de desenvolver a própria arte cultural cristã no seio da população cristã.

“A nossa missão é de desenvolver a arte gospel no país. Nesta altura, a Asso-música está preocupada com o rendimento dos artistas. Eles, praticamente, não estão a trabalhar. São agentes publicadores, evangelistas através da música. A própria música também é um grande veículo de comunicação. Por isso, estamos preocupados e pretendemos fazer isso em todos os bairros e também nas províncias”, augurou.

Divulgação das medidas preventivas

A Asso-música, que regula a música gospel no país, nesta altura em que se vive a pandemia, têm trabalho na mobilização dos membros, para conterem a transmissão da doença, bem como motivá-los a trabalharem em casa, para maior evangelização e difusão da vida espiritual.

Neste capítulo foi ainda gravado em Março o tema musical “Fica em casa”, com um elenco de aproximadamente 30 artistas, uma composição de Gonçalves Diogo, instrumentalizada por Joel Cassoma, com direcção artística de Paulo Paz. A música tem o intento de apelar a população angolana a manter-se em casa, cumprir as orientações do Executivo, e, ao mesmo tempo, a obedecer às leis de Deus.

“São novos talentos gospel, com um potencial de grandes-vozes. A participação dos mesmos foi também para incentivá-los a trabalhar com propriedade e promovê-los, uma vez que é assistida e ouvida em várias estações televisivas e rádios. Muito deles não têm a oportunidade de aparecer no mercado, nem lhes são estendidas as mãos e não há apoios nenhuns, uma situação que nos preocupa “, lamentou.

Caça a novos talentos

O programa da Asso-música realizado aos Domingos na Rádio Escola, no período da manhã, das 7 horas às 9, onde é efectivado o debate em torno de vários temas, com diferentes convidados, e tem ainda auxiliado na captação de novos talentos da música sacra no país, uma rubrica que permitiu a aparição de mais de 1000.

O desígnio, cujas gravações eram realizadas através das redes sociais (Whatsapp) em consequência do confinamento social, passou desde o Domingo passado a ser de modo presencial, em directo, com a presença de convidados. Neste Domingo, 28, prossegue com o habitual debate, que será dominado por dois pastores que vão abordar sobre a reabertura das igrejas e a implementação das medidas preventivas contra a doença.

O conteúdo tem sido ainda um veículo para apelar a população ao cumprimento das medidas preventivas e, assim, evitar a propagação da doença. “Estamos a alertar para estarem atentos com esta doença, a seguirem as medidas preventivas, como o distanciamento de dois metros e lavar frequentemente as mãos com água e sabão, porque nem todos têm condições de adquirir álcool-gel”, aconselhou.

Lembrou ainda que, desde Março, devido a algumas limitações, estão sem fazer as actividades humanitárias, trabalhos que outrora faziam, como doação de sangue, doações de bens a pessoas desfavorecidas, campanha de prevenção rodoviária, concertos, feiras, galas e outros eventos. Apesar do facto, tiveram o privilégio de visitar vários estúdios gospel em Luanda, para constatar a sua funcionalidade.

 

error: Content is protected !!