Governo estende Cuidados Intensivos pediátricos ao país

O Presidente da República, João Lourenço, admitiu, neste Sábado, que o Executivo deverá replicar unidades pediátricas de cuidados intensivos a outras regiões do país, para um atendimento mais humanizado às crianças

O Chefe de Estado angolano falava à imprensa no final da visita efectuada à nova unidade do Banco de Urgência do Hospital Pediátrico David Bernardino, com capacidade para 135 camas.

Segundo João Lourenço, ter uma unidade tão bem equipada, apenas na cidade de Luanda, fará com que as crianças, não só dos diferentes municípios da capital, como das outras províncias, venham e acabem por superar a lotação destas instalações, com o perigo da sua rápida degradação.

“Portanto, faz sentido replicar esta experiência para outras províncias”, sublinhou o Presidente enquanto assistia à entrada dos primeiros oito pacientes nas novas instalações do Banco de Urgência. Visivelmente satisfeitos, pais e petizes acenaram ao Titular do Poder Executivo, que se fez acompanhar pela primeira-dama, Ana Dias Lourenço, e responsáveis de diferentes departamentos ministeriais.

Em relação à extensão das réplicas de Cuidados Intensivos pediátricos, indicou que dependerá do próprio sector da Saúde, que fará estudos e estenderá em função da capacidade financeira que tiver, “mas o ideal é fazer mais unidades destas em outros pontos do país”.

O Presidente da República considerou que as novas instalações do Banco de Urgência representam um passo importante na resolução dos problemas de saúde da população, em particular da criança.

“O que acabamos de ver (…) orgulha a todos nós. Quem conheceu o Banco de Urgência do Hospital Pediátrico David Bernardino que compare o que aquilo era e o que isto é”, vincou.

Lembrou que, aquando da inauguração do Hospital de Campanha da Zona Económica Especial (ZEE), no âmbito da Covid-19, anunciou que outras unidades estavam a ser preparadas para atender casos da pandemia. Agradeceu às empresas de construção civil que, em tempo recorde, conseguiram fazer esta adaptação e equipar as instalações.

Banco de Urgência

Com 135 camas, a nova unidade do Banco de Urgência do Hospital Pediátrico conta com salas de internamento e uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Dos 135 leitos (camas), 47 são da UTI, incluindo 19 de neonatologia (recém-nascidos). Cada leito da UTI está equipado com monitor, ventilador, bomba e seringa infusora (eléctricas).

A nova estrutura, denominada Paulo Adão de Campos, em homenagem ao médico ginecologista angolano com mais de 40 anos de serviço, conta com serviços de emergência de curta duração, como consultas externas e um hospital de dia.

As obras de reabilitação e o apetrecho do edifício, anexo ao Hospital Psiquiátrico de Luanda, esteve a cargo das empresas de construção civil Casais, Mota Engil, Makibe, Omatapalo e Inforcon, a custo zero, no âmbito da sua responsabilidade social.

“Temos aqui um sonho que se tornou realidade no tratamento diferenciado em emergência, consultas externas e hospital dia e, acima de tudo, ganhamos a maior unidade de cuidados intensivos pediátricos da história do nosso país”, expressou, na ocasião, a ministra da Saúde, Sílvia Lutukuta.

O antigo cenário do Banco de Urgência desta unidade hospitalar terciária, funcionava no edifício da antiga casa mortuária (antes da Independência), num ambiente pouco animador, em que num só leito ficavam três a quatro crianças com patologias diferentes.

O director do hospital, Francisco Domingos, nota que, com a entrada em funcionamento da nova unidade (com mais leitos para internamento, UTI pediátrica e espaço para consultas externas), haverá uma melhoria significativa dos serviços.

Designado Hospital David Bernardino desde 2004, em homenagem ao médico angolano com o mesmo nome, a unidade que atende diariamente cerca de 400 crianças recebe verbas do OGE e vive, também, de ajudas pontuais, sobretudo de empresas petrolíferas, o que tem permitido aumentar a assistência médica.

No âmbito do novo concurso público do Ministério da Saúde, o Hospital Pediátrico foi contemplado com mais 112 profissionais, nomeadamente 13 médicos, 50 enfermeiros, 18 técnicos de diagnóstico e terapeutas, 22 de apoio hospitalar e 11 do regime geral.

Para além da vertente assistencial, a unidade será responsável pela formação dos novos profissionais admitidos, bem como técnicos de outras instituições, para a melhoria do atendimento das crianças de diferentes localidades.

leave a reply