Mais nove casos de Covid-19 e 37 sem vínculo epidemiológico

Nas últimas 24 horas, as autoridades sanitárias confirmaram mais nove novos casos da Covid- 19, dos quais cinco são de transmissão local, contactos do caso 186 e quatro sem vínculo epidemiológico identificado, elevando a cifra para 37, revelou, ontem, o secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda

O governante disse que entre os nove novos casos de infectados, cinco são de amigos e familiares do caso 186, contaminados em convívio, mas são assintomáticos.

“Os cinco casos de contaminação local são assintomáticos e aconteceram entre amigos e familiares, ou seja, em convívio”, revelou, Franco Mufinda.

O secretário de Estado para a Saúde Pública, que falava na habitual actualização de dados sobre a pandemia no país, no Centro de Imprensa Aníbal de Melo, esclareceu que os quatro casos sem vínculo epidemiológico foram encontrados nos trabalhos de rastreios de doenças respiratórias agudas nos centros sentinela, que são as clínicas Girassol e Sagrada Esperança.

Entretanto, explicou que dos nove contagiados, seis são do sexo feminino e três do sexo masculino, com idades compreendidas entre os 15 e os 65 anos.

“Reafirmamos que continuamos a trabalhar na investigação das cadeias de transmissão através de ensaios comunitários serológicos e conglomerados e grupos de risco e rastreio de casos de doenças respiratórias agudas nos centros sentinela”, detalhou.

Franco Mufinda contou que por essa altura se contabilizam 37 casos sem vínculos epidemiológicos.

Por outro, o governante disse que está em curso a construção de árvores epidemiológicas no fito de desvendar as cadeias de transmissão, estabelecendo as “linkagens” entre os casos. Recordando que a situação actual da Covid-19 em Angola inspira prudência de todos, tanto de forma individual, como colectiva.

“Não devemos recuar no cumprimento obrigatório das medidas de prevenção que são o uso da máscara, a lavagem das mãos com frequência, o distanciamento físico, o acatamento das medidas contidas no decreto sobre o estado de calamidade pública e a não violação das cercas sanitárias”.

276 casos positivos, 11 mortes

Com estes números, a estatística aponta para 276 casos positivos, dos quais 11 mortos, 93 recuperados e 172 activos. A transmissão local passou para 204 casos.

Em relação às actividades laboratoriais, Franco Mufinda fez saber que o país tem um acumulado de 25.104 amostras recebidas, das quais 276 positivas, 18.919 negativas, o resto encontra- se em processamento.

“Nas últimas 24 horas, chegamos a processar 311 amostras, das quais nove foram positivas”, contou.

Disse ainda que 1.092 pessoas observam a quarentena institucional em todo o país e que foram atribuídas altas a 49 pessoas, sendo 34 na província de Luanda, 12 na Huíla, duas no Cuando Cubango e uma na Lunda-Norte.

Franco Mufinda disse que há ainda 515 casos suspeitos investigados, enquanto os contactos sob investigação são 2.215 pessoas.

O Centro Integrado de Segurança Pública (CISP) recebeu, em igual período, 70 chamadas, das quais sete foram de denúncias de violação do estado de calamidade e 63 pedidos de informação sobre a Covid-19.

“Informamos por outra, que hoje [ontem] chegou mais um voo ao país, trazendo material de bio-segurança e equipamentos hospitalares. É mais uma aquisição do Executivo”, contou.

Fez saber que as formações continuam nos eixos todos: gestão de casos, bio-segurança, comunicação e informação e, que também, têm um trabalho actuante a nível da comunidade no que toca a informação, comunicação e educação.

Polícia realizou mais de 130 mil acções de sensibilização

O director do Gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa do Ministério do Interior, sub-comissário Waldemar José, disse que as forças de defesa e segurança, no período de 26 de Maio a 25 de Junho, do estado de calamidade, realizaram 130.377 acções de sensibilização, dos quais 32.356 de policiamento ostensivo de persuasão.

Entretanto, montaram 10.620 barreiras de trânsito e realizaram 8.371 dispersões de aglomerados. O subcomissário disse ainda que as forças de defesa e segurança registaram a entrada de 28.817 viaturas que traziam medicamentos e bens essenciais na cerca sanitária de Luanda, bem como a saída de 23 mil viaturas que transportavam o mesmo material.

Foram encerrados 146 estabelecimentos de diversão nocturna a nível nacional, interdição de 107 actividades desportivas colectivas e o encerramento de 642 mercados de venda ambulante e artesanal.

De igual modo, foram interditadas 17 actividades de fórum religioso e 11 cerimónias fúnebres por excesso de pessoas.

“Quanto às actividades recreativas e culturais, fez-se a dispersão de 60 aglomerados”, frisou.

Mais de três mil detidos por desobediência

Waldemar José disse ainda que neste mesmo período procedeu-se à detenção de 3.529 pessoas, das quais 658 por desobediência às ordens dos agentes da autoridade, 466 por violação da cerca sanitária nacional, 212 por violação de cerca sanitária provincial, sete por corrupção a agentes da autoridade, 234 por desacato ou resistência aos agentes da autoridade e 1962 por violação da fronteira.

Cinco mil veículos apreendidos

Foram aprendidos 5.355 veículos motorizados, sendo 1.305 viaturas, por excesso de lotação e 4.050 motorizadas pelo exercício de moto-táxi. Fez saber que foram realizados 88 julgamentos sumários e que os demais processos correm os seus trâmites legais.

Estrangeiros obrigados a regressar

O sub-comissário Waldemar José disse que se registou 571 violações da fronteira, das quais 430 por entrada ilegal e frustrada, 103 por saída ilegal frustrada, dois por garimpo ilegal, 24 por contrabando de combustível e 22 por imigração ilegal.

“Obrigou-nos ao retorno ao país de proveniência de 2.305 cidadãos estrangeiros, sendo 1.960 da República Democrática do Congo, 320 namibianos bem como 25 zambianos”, revelou.

Entretanto, houve a apreensão de 53.262 litros de combustível.

Mais 1.000 pessoas observam a quarentena institucional

Por outro lado, Franco Mufinda revelou que as autoridades sanitárias da província da Lunda-Norte encaminharam ao Instituto Nacional de Investigação em Saúde (INIS) 59 amostras suspeitas dos municípios de Chitato, Cambulo e Lucapa.

Entre as actividades realizadas por províncias, destacam-se a do Bengo que reportou palestras de sensibilização sobre as medidas de prevenção da Covid- 19 na aldeia Zala, município de Bula Atumba.

No Bié foram realizadas palestras de sensibilização sobre as medidas de prevenção da Covid- 19 com lideranças religiosas do Cuíto.

A Lunda-Sul procedeu à desinfecção de 11 localidades como no município de Dala, enquanto a província do Uíge realizou a desinfecção de duas igrejas, nas localidades de Candombe Velho e no município do Uíge.

leave a reply