Lopito Feijóo homenageia mulheres no seu novo trabalho poético “Desejos & doutrinárias marintimidades”

Durante o lançamento que ocorrerá em Lisboa (Portugal) a 18 deste mês, de forma presencial e também transmitido no formato digital, estarão disponíveis 750 exemplares do referido livro poético

O poeta angolano Lopito Feijóo, que se encontra em Lisboa (Portugal) desde o princípio do ano em curso, em consequência da pandemia da Covid-19, procederá à 18 deste mês, o lançamento da obra “Desejos & doutrinárias marintimidades”, num evento restrito, com cerca de 40 pessoas, que será também transmitido através de uma plataforma digital.

A obra constituída por 110 páginas, será apresentada pela escritora luso-angolana Luísa Frestas. Lopito Feijóo homenageia as mulheres (com desejos, sensibilidades e existência real), com realce à mulher africana, pela sua intrínseca beleza, condição de batalhadora e ‘sofredora’.

Com este livro, o autor regressa ao tema do amor já anteriormente tocado e retocado em “Cartas de amor” e “Desejos de Aminata”. Segundo o escritor, trata-se de mais um livro de poesia de amor profundo e adulto, uma homenagem com grande carga amorosa, recorrendo por via dos sugeridos toques no corpo, o lado biológico e hormonal.

Afirmou ainda que estarão disponibilizados nesta sessão 750 exemplares, cifra que considera favorável, dado ao momento que se vive, relacionado com a doença do novo Coronavírus, que tem como consequência algumas restrições sociais.

“Assim, poderão participar mais pessoas, de qualquer parte do globo, uma vez que não é permitida a realização de eventos com grande público. Bastará digitar uma senha que será logo disponibilizada para o efeito”, explicou a OPAÍS.

Avançou que as actividades culturais presenciais neste país, apesar de estarem já a acontecer, vão de encontro à primeira fase de desconfinamento social, devido aos receios que se tem quanto à sua disseminação.

Venda digital

No que tange à venda da obra via on-line, que teve início no transacto mês, disse que é com o intento de chegar a todos, assim como recuperar o valor investido. “Foi feito um grande investimento que é preciso recuperar e prevê-se que vai levar muito mais tempo do que o normal, devido à fraca circulação de pessoas nos circuitos das livrarias. Pois, andamos todos numa fase de desconfinamento, que exige ainda muitos cuidados, por causa da pandemia”, constatou.

Acrescentou que o livro, apesar do facto, tem sido procurado em Portugal e noutros países, em consequência do trabalho de marketing realizado naqueles moldes, feito pela editora portuguesa com quem trabalha em termos de publicação. Contou que a transmissão do acto de lançamento no formato digital contará com o apoio da Embaixada de Angola naquele país.

Quanto à apresentação do livro no seu país, Angola, disse que ocorrerá aquando da sua chegada, que, segundo ele, poderá acontecer em Setembro ou Outubro, conforme a evolução ou regressão da pandemia.

leave a reply