Reinício das aulas nas “mãos” do Ministério da Saúde

A ministra da Educação, Luísa Grilo, revelou, ontem, em Luanda, que o reinício das aulas do II Ciclo do Ensino Secundário, marcado para o dia 13 de Julho, está dependente do aval do Ministério da Saúde (MINSA).

A governante disse que só o MINSA pode determinar se existem condições para o efeito. No entanto, garante que as condições para o ensino secundário estão criadas, mas tudo há de depender da situação epidemiológica do país, segundo a Angop.

Luísa Grilo declarou que estão a trabalhar com os governos provinciais e a monitorar todo o processo, havendo indicações de que há condições de bio-segurança e água nos estabelecimentos de ensino do II Ciclo do Ensino Secundário.

As aulas no ensino geral estão suspensas desde finais de Março devido à Covid-19, que já infectou 291 pessoas, tem 179 activos, 97 recuperados e 15 óbitos.

O Governo determinou, no Decreto sobre a Situação de Calamidade Pública, que as aulas retomam em três etapas distintas, a partir de 13 de Julho, com os estudantes universitários e os do II Ciclo do Ensino Secundário (da 10ª à 12ª classes).

Para o dia 27 de Julho, está previsto o reinício da actividade lectiva dos estabelecimentos do I Ciclo do Ensino Secundário (7ª à 9ª classes) e do ensino primário (1ª à 6ª classes).

A reabertura e funcionamento dos equipamentos de ensino pré-escolar estão sujeitos a uma regulamentação específica, conforme a orientação das autoridades governamentais.

No âmbito da situação de calamidade pública, em vigor desde 26 de Maio, o Governo anunciou a reformulação do calendário escolar, que fica com apenas dois trimestres.

Nesse âmbito, prevê-se que o primeiro trimestre venha a decorrer de 13 de Julho a 28 de Agosto, e o segundo de 31 de Agosto a 31 de Dezembro. 

error: Content is protected !!