Estado de Emergência duplica taxa de prevalência do VIH /SIDA no Bengo

A taxa de prevalência do VIH/SIDA na província do Bengo nos primeiros seis meses de 2020 subiu para 4.5 por cento, contra 2.4 por cento em igual período em 2019, em consequência do período em estado de emergência que o país viveu.

O médico Davin Kungatikila Videl, responsável do Centro de Aconselhamento e Testagem Voluntária (CATV) nesta província, disse que no 1º semestre do ano foram notificados 225 novos casos de VIH em 4.953 testes, que resultaram em nove mortes. Ao passo que no ano passado foram efectuados oito mil testes que resultaram em 201 casos positivos e 22 óbitos.

Davin Kungatikila Videl explicou, em entrevista a Angop, que enquanto vigorou o estado de emergência no país, muitos cidadãos de outras províncias ficaram retidos no Bengo, onde aproveitaram para fazer o teste do VIH/SIDA e com isso aumentaram as cifras.

Explicou ainda que o aumento de casos está relacionado também ao facto de este ano estarem a ser feitos mais testes do que no ano passado, em que houve uma ruptura no stock de reagentes.

Realçou o facto de haver mais mulheres infectadas (sem adiantar os números) por serem estas as que mais testam, sobretudo durante a gravidez, revelando haver ainda resistência de alguns homens a fazer o teste do VIH/SIDA.

Apontou o Dande como o município do Bengo com maior número de casos (devido à proximidade com a província de Luanda, já que grande parte dos testes é feito por pessoas provenientes da província de Luanda), seguida dos municípios do Ambriz e de Nambuangongo.

Neste momento, o Centro de Aconselhamento e Testagem Voluntária provincial do Bengo faz o acompanhamento médico a mais de mil pacientes portadores do VIH/SIDA.

error: Content is protected !!