Conter o aumento das desigualdades é um desafio global após a pandemia

A crise causada pela pandemia de Covid-19 evidencia as desigualdades já existentes no mundo e nos países desenvolvidos, e reduzi-las será um dos grandes desafios do futuro, alertam economistas, líderes políticos e empresários.

“As epidemias tendem a derrubar ainda mais o que já está em declínio. Elas são de alguma forma um acelerador e revelador de fraquezas”, disse o economista Pierre Dockes, professor emérito da Universidade de Lyon 2, durante as reuniões económicas da Aix-en-Seine em Paris, realizada neste fim-de-semana.

Desde o início da pandemia, médicos e epidemiologistas descobriram que o novo Coronavírus afecta mais gravemente pessoas com doenças crónicas (obesidade, diabetes, doenças cardiovasculares), proporcionalmente mais presentes na população pobre.

E, acima de tudo, as pessoas com empregos de pouca qualificação tiveram que continuar a trabalhar para manter os sectores de alimentos, o comércio eletrónico ou serviços de saúde.

“Todas essas pessoas que continuaram a trabalhar apesar dos riscos … são pessoas de classe baixa”, disse Mark Stabile, pesquisador da escola de negócios Insead, especialista em desigualdades.

Nos países desenvolvidos, as políticas de austeridade após a crise de 2008 “reduziram a qualidade dos serviços públicos, no sector da saúde, por exemplo, e o apoio às pessoas necessitadas, sem emprego”, tornando-as mais vulneráveis actualmente , especificou ele.

“Está claro que haverá um aumento das desigualdades” devido a esta crise, alertou a presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde.

O vencedor do Prémio Nobel da Paz do Egito, Mohamed el Baradei, lembrou “o número de pessoas pobres que morrem […] simplesmente porque não têm acesso ao sistema de saúde” “, porque não conseguem manter distanciamento físico, porque os lugares onde moram são muito populosos e [porque] precisam voltar ao trabalho para sobreviver “, especialmente em países emergentes.

Para Pierre Dockes, países como Índia ou Brasil podem observar uma desaceleração no avanço dos padrões de vida de suas classes médias em relação aos dos países ocidentais.

Peso para os jovens

Outra desigualdade após a Covid-19 se abriu entre gerações, estima a economista italiana Elsa Fornero, ex-ministra do Trabalho no seu país entre 2011 e 2013.

Enquanto “as gerações mais velhas pagam o preço mais alto em termos de vidas humanas, […] as consequências económicas, medidas de confinamento por exemplo, com o fechamento de escolas […] deixaram as crianças, adolescentes fora do sistema educacional” que “podem ter consequências a longo prazo […]”, afirmou.

Estudos realizados após a crise de 2008 mostraram que as gerações que tiveram dificuldades para entrar no mercado de trabalho durante a crise nunca recuperaram o atraso em termos de carreira.

Para os especialistas, além do renascimento económico para impulsionar o crescimento, é necessário criar soluções para conter essas desigualdades.

Alguns economistas, como Gabriel Zucman, defendem um sistema tributário para os mais ricos, baseado no modelo da experiência alemã após 1945.

A Alemanha “optou por impor retenções temporárias e progressivas a grandes fortunas”, ao contrário da França e do Reino Unido, que preferiam deixar a inflação correr para reduzir a dívida, explicou.

A italiana Elsa Fornero estimou que o enorme endividamento dos Estados para apoiar a recuperação económica “poderia criar outro fardo para as gerações jovens” e, portanto, também deveria “proporcionar investimentos em capital humano”.

Os investimentos para combater as mudanças climáticas devem ser direccionados aos mais desfavorecidos, porque “é sempre o mais frágil que tem dificuldades para suportar o impacto”, disse Kevin Sneadre, da consultoria McKinsey.

Para a directora do ING Bank France, Karien Van Gennip, é preciso olhar além do aspecto económico e “renovar o contrato social”. “É a coisa certa a fazer em tempos de crise”, enfatizou.

Isto É

error: Content is protected !!