Covid-19 dá tréguas depois de duas semanas de novos casos e mortes

Depois de duas semanas com registos consecutivos de novos casos e óbitos, a Covid-19 deu uma pausa, nas últimas 24 horas, mantendo os 353 infectados, dos quais 108 estão recuperados e 19 resultaram em óbito

O secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda, disse, ontem, em Luanda, que o país continua com o registo de 226 casos activos, dos quais nove requerem cuidados especiais, dois estão em estado crítico e os restantes estão estáveis.

Durante a habitual apresentação diária do balanço da situação epidemiologia do país, Franco Mufinda fez saber que por agora o país mantem os 353 casos anunciados no dia anterior.

“Cumpre-nos informar que nas últimas 24 horas não foi confirmado nenhum caso novo e nenhum óbito. Em processamento temos 15 amostras que foram confirmadas por testagem rápida da Abbot, que devem ser reconfirmadas pela biologia molecular recorrendo ao teste de RT-PCR, sendo que temos que aguardar até amanhã para obtermos dados conclusivos”, revelou.

Em relação ao laboratório, Franco Mufinda explicou que o país tem até este momento um acumulado de 29.105 amostras recebidas, das quais 353 positivas, 22.790 negativas, sendo que o restante se encontra em processamento.

O governante fez saber que os casos suspeitos investigados são 515, enquanto os contactos sob investigação chegam a 2.270 pessoas. “Nas últimas 24 horas, conseguimos processar 438 amostras, sem nenhum positivo”, frisou.

O Centro Integrado de Segurança Pública (CISP) recebeu, nas últimas 24 horas, 77 chamadas, das quais em seis foram denunciados casos suspeitos de Covid-19, de violação do estado de calamidade pública, e 51 pedido de informação sobre o vírus.

“É de referir que já temos no país testes rápidos da Abbot que estão sendo usados para rastreios e que serão reconfirmados por testes de biologia molecular pelo Instituto Nacional de Investigação em Ciências da Saúde”, disse.

Por outro lado, Franco Mufinda referiu que 904 pessoas observam a quarentena institucional em todo o país. Nas últimas 24 horas, 139 pessoas receberam alta, sendo 139 na província de Luanda, 62 em Cabinda, 23 no Cuanza-Norte, duas na Lunda-Norte. Bié e Huambo tiveram uma em cada.

73 casos positivos de fontes de transmissão desconhecidas

O país continua com 73 casos sem vínculo epidemiológico, pelo que Mufinda apela para a revisão da conduta dos cidadãos. A opção por boas atitudes, que se resumem no uso da máscara, a lavagem constante das mãos, o distanciamento físico e social.

Por outro lado, referiu a não violação das cercas sanitárias, o ficar em casa sempre que for possível e também o acatamento das outras medidas contidas no decreto presidencial de calamidade pública.

“Estamos aqui a recordar que diante de um inimigo invisível que mata, pensamos que ficar em casa é sempre o melhor”, alertou.

Entre as actividades realizadas noutras províncias, Mufinda contou que Bengo, Cabinda, Benguela, Huambo e Uíge reportaram a realização de pulverização em alguns locais, capacitação de técnicos, a colheita e respetivo envio de algumas amostras a Luanda.

1.000 testes serológicos por província

Franco Mufinda revelou ainda que foi ontem iniciada a distribuição de 1.000 testes serológicos da Abbot para cada província de Angola, de modo que esta capacidade em termos de testagens poderá ajudar as províncias a fazerem a gestão dos centros de quarentena.

“Recordar aqui o que dizia a senhora ministra, ontem, que os testes serológicos têm esta capacidade, que não são conclusivos, de modo que o achado positivo deverá passar por outro processo secundário em que a amostra deve ser enviada para Luanda para confirmação, passando pela biologia molecular que é o RT-PCR.

De recordar que o novo Coronavírus (SARS-CoV), responsável pela pandemia da Covid-19, surgiu na China em Dezembro em 2019. O surto espalhou-se pelo mundo e já vitimou centenas de milhares de pessoas, tendo levado a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia global.

error: Content is protected !!