Montanha de lixo electrónico não para de crescer no mundo

De todas as montanhas de lixo geradas no mundo, a dos eletroeletrônicos é a que cresce mais rápido: são 53 milhões de toneladas por ano. Teoricamente, tudo poderia ser reciclado

Se as regiões com a maior produção per capita de lixo eletrônico forem escurecidas num mapa mundi, ficará escuro na Europa, na América do Norte, na Austrália e na Nova Zelândia.

Um americano gera, em média, mais de 19 kg de lixo electrônico por ano. Um alemão, cerca de 23 kg, e um norueguês, até mesmo mais de 28 kg.

Em todo o mundo são 53 milhões de toneladas de lixo eletrónico por ano, composto de todo tipo de aparelhos, como celulares, computadores, geleiras e células fotovoltaicas, afirma o mais recente estudo sobre o tema, apresentado pela Universidade das Nações Unidas nesta Quinta-feira (07).

A maior parte desses produtos vai parar no lixo – ainda que eles não sejam, nem de longe, sem valor. Dentro deles há, com frequência, materiais como ouro, prata, platina, cobre, ferro ou terras raras, no valor total estimado de 57 bilhões de dólares.

Mesmo assim, no ano passado menos de um quinto dessa montanha de lixo foi reciclada. O resto tem destino incerto. Em parte vai parar no lixo comum e acaba sendo largada num depósito, aterro ou queimada. Outra parte vai parar na mão de comerciantes que consertam electrodomésticos e os revendem em países de renda per capita mais baixa do que as nações industrializadas.

Uma parte considerável desse lixo (estimativas afirmam que de 7% a 20%) é exportada de forma ilegal, sob o manto do reaproveitamento ou sob o pretexto de que se trata de sucata.

Assim, velhos equipamentos electrónicos de países ricos vão parar em depósitos de lixo no Leste Europeu, na Ásia ou em África. Lá acabam sendo recolhidos e desmontados ou simplesmente queimados.

Esse desmembramento ocorre sem o uso de luvas ou qualquer tipo de protecção. A queima também é perigosa, tanto para a saúde humana como para o meio ambiente, pois, além de materiais valiosos, electrodomésticos também podem conter substâncias venenosas.

Todo o lixo eletrônico gerado no mundo contém cerca de 50 toneladas de mercúrio, 71 mil toneladas de produtos retardante de chamas bromados e 98 milhões de toneladas de CO2 equivalentes, afirma o estudo.

De todas as montanhas de lixo geradas no mundo, a dos electroeletrónicos é a que cresce de forma mais rápida.

“Nos últimos cinco anos, a quantidade de lixo electrónico cresceu três vezes mais rapidamente do que a população mundial e 13% mais rapidamente do que o PIB de todos os países”, afirma o presidente da Associação Internacional de Resíduos Sólidos, Antonis Mavropoulos.

“Há uma classe média crescente em muitos países que, há alguns anos, ainda eram típicos países em desenvolvimento. E neles há uma grande procura reprimida”, comenta Rüdiger Kühr, um dos autores do estudo e director do programa de ciclos sustentáveis da Universidade das Nações Unidas na Europa.

Além disso, há cada vez mais aparelhos eléctricos, diz Kühr, mencionando como exemplos o carro elétrico, a bicicleta eléctrica e até jogos de salão. E a velocidade com que novos computadores e celulares tiram do mercado os modelos antigos também aumenta.

Assim, a quantidade global anual de lixo electrónico poderá passar para 74 milhões de toneladas em 2030, calcula o estudo. Isso poderá resultar em tragédia para o meio ambiente e para a saúde de muitas pessoas.

Kühr defende a criação de novos ciclos económicos. Por exemplo, os consumidores não comprariam mais os produtos, mas o serviço por eles prestado. O produto continuaria a ser propriedade do fabricante.

Mas não precisa ser assim. Kühr afirma que a cota de reciclagem de eletrónicos poderia chegar a 100%. Mas o mundo está longe disso. Mesmo na Europa, onde se queria chegar a 65% em 2019, a cota actual é de 42%.

Como este teria interesse em oferecer o melhor serviço aos seus clientes, teria também interesse em oferecer bons produtos e em investir em inovações. Ele também teria interesse em fabricar produtos mais fáceis de serem consertados e de serem reciclados, pois venderia o serviço que o produto oferece e não o próprio produto.

Esse modelo já existe em alguns países, por exemplo com celulares ou máquinas copiadoras.

Kühr defende ainda que o consumidor exija dos fabricantes mais informações sobre os efeitos dos produtos sobre o meio ambiente e sobre a taxa de reciclagem deles. Essas informações já existem, mas não são utilizadas como argumento de compra.

“Acho espantoso que, no actual debate sobre as mudanças climáticas, no qual o sector automobilístico e a aviação civil fazem publicidade com iniciativas ambientais, a indústria de electroeletrónicos deixe completamente de lado esse tema”, diz Kühr.

Deutsche Welle / Globo

error: Content is protected !!