O Sanatório, uma instituição obsoleta no controlo da tuberculose

O conceito de sanatório surge em meados do século XIX, e tem um apogeu entre 1880 e 1930 como a resposta que os tempos permitiam, a Tuberculose uma temível doença, que atingia todas as classes sociais e era conhecida como “a peste branca”. 

A doença estava então bem identificada, a grande escola Parisiense de Medicina, Bichat, Pierre Louis e sobretudo René Laennec (o inventar do estetoscópio) tinham, em meados do século XIX, estabelecido os métodos do diagnóstico clínico, que vieram a ser reforçados com a invenção dos exames por RX por Wilhelm Roentgen em 1895, na Alemanha.  

Aqui tinha Robert Koch, em 1882 identificado o agente da doença, o Bacilo de Koch ou Mycobacterium tuberculosis. Mas faltava o que era praticamente o mais importante: um tratamento para destruir o bacilo e curar a doença. Perante esta impotência jogava-se no conceito de Medicina Natural, a ideia de que um ar puro, boa alimentação e repouso podiam curar, e isto materializou-se na construção dos Sanatórios, de preferência fora das cidades em “bons climas e bons ares”, no campo e nas montanhas. 

Em Angola, a administração colonial construiu nos anos 50 dois sanatórios, um em Luanda e outro no Huambo. 

Contudo, a partir de 1940 os sucessos da indústria química alemã iniciaram a grande revolução terapêutica anti-infecciosa, com a invenção das Sulfamidas e depois dá-se a descoberta da Penicilina por Alexandre Fleming em Londres. Logo a seguir, a Estreptomicina aparece como o primeiro grande medicamento contra o bacilo de Koch, a que se seguiram novas descobertas. 

A Tuberculose passou a tratar-se activamente e com sucesso nos hospitais, como as outras doenças infecciosas, até porque o seu diagnóstico e as suas várias intercorrências e complicações implicavam a cooperação com outras especialidades dum Hospital Geral (Anatomia Patológica, Cirurgia, Ortopedia). 

Voltemos a Angola dos primeiros anos do século XXI: perante a degradação física do Sanatório de Luanda surge um projecto de requalificação, e a Vice-Ministra de então, Dra. Natália do Espirito Santo, encarregou-me de coordenar um grupo de trabalho com um objectivo: converter o Sanatório em Hospital Geral e reestruturar os serviços de tratamento da Tuberculose. 

Este objectivo enquadrava-se nas ideias gerais acima referidas e tinha dois pontos fortes: 

  • Um Hospital Geral naquela zona da cidade, de forte expansão demográfica e pouco servida de estabelecimento de Saúde, impunha-se;
  • O tratamento da Tuberculose tem de fazer-se por um período mínimo de 6 meses (em geral as primeiras semanas em regime de internamento e os restantes meses nodomicílio).

Ora, o cumprimento da terapêutica nesta segunda fase, em que o doente já se sente bem, é muito desrespeitado. Há abandonos, tratamento incompletos e os bacilos tornam-se resistentes aos medicamentos tuberculostáticos. 

Por isso, a Federação Mundial da Tuberculose e a OMS têm advogado a metodologia “dot” (directed observed treatment”) quer dizer, em vez de o doente vir receber o tratamento para um mês, a instituição fá-lo vir diariamente buscar e consumir os medicamentos à vista do pessoal de Saúde (observado directamente). 

Era, portanto, importante descentralizar, e o plano apresentado consistia em: 

  • Sugerir as modificações físicas na planta do edifício e o necessário equipamento para o adaptar a um hospital polivalente;

Propor a criação de enfermarias para Tuberculose nos hospitais Gerais, incluindo no hospital que resultaria da conversão do Sanatório de Luanda, 

  • Criar/reforçar a rede de monitorização e distribuição de medicamento ao nível dos Centros e Postos de Saúde, de forma a prestar cuidados de proximidade e praticar-se o mais possível o “dot”, como forma de garantir tratamentos completos e diminuição da circulação dos bacilos resistentes nacomunidade Infelizmente, nem a reabilitação do edifico se fez, nem a reestruturação racional do tratamento nacional da Tuberculose teve lugar.

A decisão de encerrar o Dispensário Antituberculoso que funcionou durante vários anos junto à Maternidade Lucrécia Paim enfraqueceu ainda mais a rede periférica de tratamento da doença. 

Passado 15 anos, encontramos um ministério sem ideias gerais, nem uma visão de Saúde Pública, a influir o Governo em abordagens obsoletas, com a agravante de dar lugar a projectos de construção e extremamente pesados para o orçamentado, de Estado e de que as obras do Sanatório, que já deram lugar a actos de inauguração publicitados como grandes acções de saúde, são um bom exemplo, na série em que a presente te titular nos surpreende todos os dias , e na qual tem, em contraste com os seus antecessores, um papel muito activo. 

Na reportagem sobre o Sanatório de Luanda inserida em “O País” de 30 de Junho do corrente, ressaltam as ajustadas declarações do respectivo Director Clínico: (1) Aumentou muito o número de doentes (porque o grande investimento no Hospital está, perversamente, a centralizar, em vez da desejada descentralização); 

(b) Há muitos doentes resistentes aos tuberculostáticos por deficiente tratamento (incumprimento e por vezes abandono sem acabar o tratamento, porque faltou a monitorização e distribuição de medicamentos nos postos e centros próximos do domicílio dos doentes. Não há uma rede organizada para tal). 

E voltamos sempres ao grande lapso das políticas de Saúde em Angola: a negligência da activida- de persistente, anónima, mas visionária de reforço da rede que garante os Cuidados Primários de Saúde, sacrificados à prática de construir grande, caro, visível, amplamente publicitado, e implicando grandes verbas e grandes negócios. 

E como fica a Tuberculose em Angola? 

“…Os casos de tuberculose estimados aumentaram 19% desde 2010 e as mortes 17%, tendo-se registado uma subida também no número de casos desaparecidos…” 

(Relatório sobre as subvenções do Fundo Global na República de Angola, elaborado pelo Gabinete do Inspector Geral em 12.02.2020). 

Luís Bernardino 

error: Content is protected !!