“Fundistas” alinhados na corrida à presidência da FAA

Os candidatos ao cadeirão máximo da Federação Angolana de Atletismo (FAA) são obrigados a convencer a massa votante, uma vez que os problemas que enfermam a disciplina são conhecidos mesmo de olhos fechados

Quatro candidatos concorrem nas eleições na Federação Angolana de Atletismo (FAA), visando o ciclo olímpico 2020/2024. No órgão que rege a modalidade no país, às eleições acontecem no dia 07 de Setembro próximo. O presidente cessante Bernardo João, Gertrudes Sepúlveda, Adriano Nunes e António Andrade são os concorrentes.

Aliás, os dois primeiros já anunciaram publicamente que vão “lutar” nas urnas em nome do atletismo angolano, modalidade que está longe do que já fez no passado.

O presidente cessante, alvo de em muitas críticas pela sua gestão, pretende continuar a trabalhar, mas com uma nova dinâmica em termos técnicos e administrativos.

Pela forma como vive a modalidade, Bernardo João tem a obrigação de convencer os filiados com argumentos sólidos.

De outro modo, arrisca-se a perder para um dos três concorrentes, uma vez que entram na corrida conhecendo as falhas da gestão anterior. Gertrudes Sepúlveda fez parte do elenco do presidente cessante, logo, tem em mãos os elementos que nortearam o fracasso de Bernardo João. A antiga praticante apresenta nos próximos dias o seu programa e, segundo uma fonte ligada ao processo, a sua agenda, com inovações pontuais para a modalidade.

Os outros dois candidatos, António Andrade e Adriano Nunes, ainda não deram oficialmente o tiro de largada, mas oficiosamente já estão na pista.

Tudo indica que nos próximos dias estarão preparados para o pleito, uma vez que será presidente o projecto que melhor convencer. Os dois candidatos conhecem os corredores da FAA, aliás trabalharam em vários mandatos e num abrir e fechar de olhos descortinam os vícios que enfermam aquele órgão.

error: Content is protected !!