Governo quer Centro Histórico de Mbanza Kongo destino turístico obrigatório

O Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente destacou, nesta Terça-feira, a necessidade de às autoridades locais e investidores transformarem o centro histórico de Mbanza Kongo num destino turístico obrigatório, para a capitalização da riqueza histórico-cultural.

Em mensagem alusiva ao terceiro aniversário da elevação da antiga capital do Reino do Kongo a Património Mundial, o departamento governamental avança que tal assentou no seu forte potencial económico e beleza natural ímpar, destacando o Museu dos Reis do Kongo, o Nkulumbimbi, o antigo Tribunal Tradicional, a árvore Yala Nkuw, as Ruínas da Sé Catedral, a Caverna de Nzau Evua, entre outros atributos.

O Centro Histórico de Mbanza Kongo ganhou estatuto de Património Cultural Mundial a 8 de Julho de 2017, com a sua inscrição na lista da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

Para assinalar a data, estão previstas algumas actividades, entre as quais a realização de roteiros, debates televisivos e diversos programas que visam aumentar o conhecimento dos cidadãos sobre o valor da secular cidade de Mbanza Kongo.

Mbanza Kongo foi o centro político e administrativo do antigo Reino do Kongo, fundado no século XIII e cuja influência abarcava, além da zona Norte de Angola, os actuais territórios da República Democrática do Congo (RDC), República do Congo e Gabão.

O centro histórico de Mbanza Kongo ocupa uma área de 89.29 hectares, ao passo que a zona tampão estende-se numa área de 622, 16 hectares.

error: Content is protected !!