Cidadão que testou positivo para Covid-19 na Huíla veio de Luanda

Um total de 26 cidadãos entre hóspedes proveniente da província da Luanda e funcionários De uma unidade hoteleira, encontra-se, desde a madrugada de ontem (09) de Julho isolado no Novo Hotel, na cidade do Lubango. Dentre os quais, um cidadão acusou positivo para Covid-19, em teste rápido

A informação, tornada pública nas primeiras horas de Quinta-feira, nas redes sociais, foi confirmada aos órgãos de comunicação social local, pela directora do gabinete provincial de saúde, Luciana Guimarães.

A responsável disse que os 26 cidadãos se encontram em quarentena na referida unidade hoteleira, sendo que um foi submetido a um teste rápido, tendo acusado positivo para a Covid-19. Trata-se de um cidadão de 25 anos de idade, que veio da província de Luanda, por meio de uma empresa que viria prestar serviços na província da Huíla.

“Dado aos acontecimentos do país, efectuamos uma testagem a indivíduos provenientes da área de risco, no caso Luanda, e tivemos um teste rápido positivo. Como orienta a ministra, o passo a seguir é mandar uma nova testagem para o nível central que vai confirmar o teste rápido. Ainda não temos a completa certeza de ser um caso positivo, por causa disso procedeu-se às medidas epidemiológicas capazes”, disse.

As medidas epidemiológicas capazes circunscrevem-se no isolamento da área em que se encontram aqueles cidadãos, bem como, o rastreio dos contactos da pessoa que teve o teste positivo.

Polícia diz que nem todos que vêm de Luanda violam a cerca

O Comando Provincial da Polícia Nacional da Huíla registou desde a declaração de Situação de Calamidade a detenção e julgamento de 15 cidadãos nacionais, por violarem a cerca sanitária estabelecida para a província de Luanda.

Segundo o Comandante Provincial da Polícia Nacional, Divaldo Martins, a detenção destes indivíduos só foi possível graças a colaboração dos cidadãos da província da Huíla, que sempre optaram pela cultura de denúncia de casos do género.

Ainda assim, o Comissário esclareceu que nem todos os cidadãos que vêm da província de Luanda violam a cerca sanitária, tendo dito que estes chegam à outras paragens do país por força de alguma actividade laboral autorizada.

Relativamente aos casos do Novo Hotel, em que se encontram 26 pessoas suspeitas, Divaldo Martins disse que a Polícia e a Direcção de Saúde estão a observar todos os procedimentos determinados para este tipo de situação.

“Foi feito o isolamento, criou-se um cordão sanitário no Hotel, as pessoas que estavam no Hotel, quer hóspedes quer os funcionários, foram registados e neste momento estão sob o controlo da equipa de vigilância epidemiológica. O que a Polícia está a fazer, neste momento, é garantir que as medidas de segurança sejam cumpridas, nomeadamente, não permitir a entrada e saída de pessoas não autorizadas”, reforçou.

Por outro lado, o Comandante Provincial da Polícia Nacional revelou que doravante todas as empresas e pessoas particulares que se deslocarem para a província da Huíla, serão obrigadas a apresentarem um comprovativo da realização do teste da Covid-19.

João Katombela, na Huíla

error: Content is protected !!