Município da Quiçama sai da zona amarela do PIIM

A governadora de Luanda, Joana Lina, procedeu, ontem, ao lançamento da construção de uma escola de 12 salas de aulas na comuna de Cabo Ledo, município da Quiçama, acto que considera ter tirado aquela localidade da zona amarela do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM), em termos de atraso

Com o lançamento da primeira pedra para a construção de uma escola com 12 salas de aulas na comuna de Cabo Ledo, a governadora de Luanda, Joana Lina, aconselhou a direcção municipal no sentido de não relaxar e dar início à obra de um dos 15 projectos escritos no Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM).

A governante falava aquando da visita que realizou, ontem, ao município da Quiçama, mais propriamente na comuna de Cabo Ledo, para dar início às obras inseridas no PIIM.

A primeira escola, de 12 salas, está orçada em 359 milhões e 940 mil e 650 Kwanzas e tem um período de seis meses para ficar concluída. Lamentou o facto de o município ter 15 projectos inscritos e no sexto mês do presente ano nenhum estar em condições de iniciar.

Sobre as preocupações que afligem os munícipes, explicou que as mesmas devem ser analisadas e definidas as prioridades, que carecem de intervenção imediata. Joana Lina explicou que por causa da pandemia da Covid-19 no mundo (e no país), não se pode fazer visitas longas, reuniões demoradas, havendo que evitar estar-se muito tempo em vários sítios, sobretudo com aglomerados de pessoas, em função da circulação comunitário do vírus na província.

Quanto ao que a governadora pode vir a fazer na comuna do Cabo Ledo ou do município da Quiçama, sublinhou que não faz promessas, mas espera que os munícipes aguardem por boas coisas, tendo em conta que a sua equipa é trabalhadora e vai procurar fazer o melhor.

Por seu turno, o administrador municipal da Quiçama, António Manuel Fiel “Didi”, explicou que os projectos inseridos no PIIM registaram um atraso por causa dos procedimentos que devem ser seguidos, com rigor, para dar início às obras.

Por outra, houve inexperiência por parte dos executores a nível do município, o que contribuiu também no atraso, “mas agora já estão ultrapassadas as situações”. Lembrou que entre várias dificuldades que a sua comunidade regista, está a falta de equipamentos sociais, pelo que começou a ser erguida, ontem, uma das estruturas. O município da Quiçama é único da província de Luanda do grupo “D”, que significa pobreza, falta de desenvolvimento, entre outras situações negativas.

Pelo facto, os 15 + 6, que perfazem 21 projectos ligados ao PIIM, vão trazer escolas, centros médicos para as comunas de Caxarandada, Luandos e Cadange, bem como serão construídos centros médicos de referência na comuna de Cabo Ledo e vila da Muxima.

leave a reply