Mussulo beneficiará de furo de água no âmbito do programa de combate à pobreza

A comuna do Mussulo, município de Talatona, beneficiará de um furo de água, ainda este ano, no âmbito do Programa Integrado de Desenvolvimento Local e Combate à Pobreza (PIDLCP). A garantia é do administrador municipal, Ermelindo da Silva G. Pereira, em entrevista a OPAÍS. Ele avançou ainda que o seu município tem um total de 140 projectos para serem desenvolvidos no programa supracitado, este ano

A Ilha do Mussulo não tem instalada a rede de abastecimento de água potável, pelo que para os moradores conseguirem este líquido, para além dos poços, muitos fazem a travessia e outros dependem de cisternas.

Embora se tenha a ideia de que o Mussulo seja uma Ilha com mais casas de fim-de-semana, existe uma comunidade de pessoas de renda baixa que passam por dificuldades de vária ordem, dadas as limitações que têm ao viverem numa Ilha. Dentre as dificuldades está o acesso à água potável, que ultimamente se agravou, com a pandemia.

A única forma que algumas pessoas têm para amenizar a situação é fazer a travessia com quatro ou cinco bidons de 20 litros, porque a água do poço misturou- se com a salgada e está em péssimas condições de consumo. Esta situação foi-nos confirmada, numa reportagem, por uma moradora, Joana, com a qual falamos na segunda fase do estado de emergência.

Para aliviar a situação destes moradores, consta no Programa Integrado de Desenvolvimento Local e Combate à Pobreza (PIDLCP) a criação de um furo, no Tapo, segundo o administrador do município de Talatona, Ermelindo Pereira. Este responsável reconheceu que um furo de água não será suficiente, mas há necessidade de abastecer a comuna com água potável e energia eléctrica.

Está a ser instalada uma escola no Mussulo, no âmbito do PIIM, e esta arrasta consigo a necessidade de água potável e de energia eléctrica. Por esta razão, está-se a trabalhar para que seja feito um furo de água.

Por seu turno, a Administração Municipal faz o levantamento de furos antigos e procura fazer a manutenção de modo a torná-los operacionais. Apesar de não ser suficiente, tendo em conta que o normal seria ter-se ali uma rede de distribuição de água. Por isso, trabalha com o MINEA, que tem um projecto para levar água à referida ilha.

“Aproveito a ocasião para apelar às entidades de direito no sentido de, dentro das possibilidades que temos, se priorizar a comuna do Mussulo, tendo em conta que a população está mais afastada dos outros distritos e tem maior dificuldade de adquirir estes bens”, disse Ermelindo Pereira. Nesta fase da pandemia da Covid-19, a comuna é abastecida por camiões cisterna, segundo o responsável.

error: Content is protected !!