Guiné-Bissau prolonga estado de emergência até 24 de Agosto

O Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, prolongou ontem o estado de emergência no país até 24 de Agosto, no âmbito do combate à pandemia provocada pelo novo Coronavírus.

Umaro Sissoco Embaló decidiu prolongar, pela sétima vez, o estado de emergência, “considerando a evolução da situação epidemiológica no país, traduzida pelo aumento do número de casos confirmados.

O estado de emergência terminava às 00:00 locais de ontem. O chefe de Estado teve também em consideração o facto de o país estar na época das chuvas, altura em que há um “aumento de morbilidade e mortalidade na população” e que se regista “um aumento significativo de infecções respiratórias e paludismo”.

“Apesar da situação acima descrita merecer atenção especial, é de referir que foram alcançados resultados positivos na luta contra a pandemia da Covid-19 graças a uma grande e múltipla solidariedade humana. Os ganhos conseguidos devem ser mantidos, consolidados e aumentados”, refere Umaro Sissoco Embaló no Decreto Presidencial divulgado à imprensa.

O Presidente guineense anunciou também que decidiu levantar a suspensão à circulação internacional, tendo em conta a decisão da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, organização de que a Guiné-Bissau faz parte, de proceder à abertura do espaço à circulação transfronteiriça.

No decreto, o chefe de Estado mantém em vigor a obrigatoriedade do uso de máscara de proteção individual e o respeito pelo distanciamento físico. Umaro Sissoco Embaló decretou o Estado de Emergência no país pela primeira vez em Março, depois de terem sido confirmados os primeiros casos de infecção pelo novo Coronavírus.

A Guiné-Bissau, com cerca de dois milhões de habitantes, tem quase um total acumulado de 2.000 casos de infecções, incluindo 26 vítimas mortais.

error: Content is protected !!