PGR formaliza prisão de cidadãos acusados de tráfico de cocaína

A Procuradoria-Geral da República na província da Huíla procedeu, na última Sexta-feira, a legalização da prisão dos sete cidadãos nacionais implicados no tráfico e consumo de cocaína.

Os sete cidadãos foram detidos no passado dia 19 do mês em curso, como integrantes de um grupo de traficantes de droga que operava nas províncias do Cunene, Huíla e Namibe.

De acordo com o chefe interino do gabinete de comunicação institucional da delegação do Ministério do Interior, Inspector Prisional, Alexandre Lucas Calueio, os sete cidadãos foram acusados pelo Ministério Público de vários crimes, com destaque para o branqueamento de capitais, associação de malfeitores e tráfico de drogas.

“Temos a informar que a Procuradoria-Geral da República legalizou a prisão dos sete reclusos envolvidos no tráfico de drogas, que além deste, foram indiciados na prática de outros crimes. Nesta altura aguarda-se a introdução do processo em tribunal” disse.

Com os sete cidadãos nacionais, foram apreendidos 65.000 Kwanzas, resultantes da venda de drogas, 130 gramas de cocaína não embalada, 170 porções da mesma droga e 90 pequenos embrulhos de crack.

Na província da Huíla, a droga mais consumida principalmente por jovens com idades compreendidas entre os 15 e 35 anos, continua a ser a liamba, sendo que no Lubango já se começa a consumir a cocaína e a crack.

O tráfico de drogas, com realce para a cocaína, tem o município do Lubango na liderança e é movimentado por um grupo que tem como rota a província do Cunene e do Namibe. Até no Domingo passado foram detidos indivíduos que integravam os grupos que dominam os mercados do Lubango e do Namibe.

Alexandre Lucas Calueio, director interino do Gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa do MININT na Huíla, revelou que o Serviço de Investigação Criminal (SIC) está a trabalhar no sentido de localizar e deter os outros integrantes do grupo.

“O SIC não parou por aqui, continua a investigar e os outros integrantes deste grupo serão detidos. Sabe-se que a actividade policial é feita de forma cooperante, os órgãos do ministério do interior na Huíla estão a colaborar com as províncias do Cunene e do Namibe, para encontrá-los”, revelou.

A Província da Huíla é tida, nos últimos tempos, como a placa giratória do tráfico e consumo de drogas, com realce para a cannabis, cocaína e crack. Com vista a alterar esta realidade, o Comando Provincial da Polícia Nacional tem vindo a realizar uma série de operações.

João Katombela, na Huíla

error: Content is protected !!