China suspende tratados de extradição entre Hong Kong e três países em retaliação

A China suspendeu os tratados de extradição entre Hong Kong e o Canadá, Austrália e Reino Unido. Países já tinham suspendido unilateralmente os tratados, para protestar contra a nova legislação.

A China anunciou, ontem Terça-feira, a suspensão de acordos de extradição entre Hong Kong e três países ocidentais Canadá, Austrália e Reino Unido -, que criticaram a imposição, por Pequim, de uma lei de segurança nacional na região semi-autónoma.

A medida de retaliação adoptada por Pequim é sobretudo simbólica, visto que os três países já tinham suspendido unilateralmente os tratados, para protestar contra a nova legislação, em vigor desde 30 de Junho passado.

“Estas decisões erróneas (…) minaram gravemente os fundamentos da cooperação judicial”, disse Wang Wenbin, porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros da China, em conferência de imprensa. “A China decidiu suspender os tratados de extradição entre Hong Kong e o Canadá, Austrália e Reino Unido, além de acordos de cooperação em justiça criminal”, afirmou.

Vários países ocidentais, liderados pelos Estados Unidos, pediram à China que reverta a lei de segurança nacional em Hong Kong. Esta nova legislação faz com que a oposição pró-democracia na cidade tema um sério declínio das liberdades em vigor neste território de 7,5 milhões de habitantes, retornado à China em 1997 pelo Reino Unido.

Para Pequim, esta lei é oficialmente uma forma de garantir a estabilidade, de pôr fim ao vandalismo que marcou as manifestações pró-democracia de 2019 na região, bem como de suprimir vozes que defendem a independência do território.

Desde 1997, Hong Kong desfruta de ampla autonomia face à China continental, que é liderada pelo Partido Comunista Chinês. Os seus habitantes beneficiam em particular da liberdade de expressão, liberdade de imprensa e uma justiça independente.

error: Content is protected !!