Antes vigilantes

“Complacência e desleixo”, fixem bem estas palavras. Não foram ditas por uma pessoa qualquer e não saíram da boca da pessoas que as disse por uma razão qualquer. Mas, antes, deixem-me dizer que complacência e desleixo não são exclusivos de quem fique deitado de barriga para o ar enquanto o mundo se degrada à sua volta. Pode ser também de quem regue jardins com suor mas que esteja a fazer mal mesmo alertado. E pode ser também de quem faz mal, digamos que, de propósito.

Stella Kyriakides é a dona da boca que mandou aquelas palavras. Ela é a comissária europeia da Saúde e mostrou, nesta Quarta-feira, “preocupação face ao aumento de casos de Covid-19 em vários países na Europa, responsabilizando as populações que demonstraram alguma “complacência e desleixo””. Está assim escrito no site da TSF. Pois bem, e então? Então é assim: o novo Coronavírus vai dar muito que falar ainda. Então, na Europa não se está a viver o Verão, a mais quente estação do ano? Pois bem, os africanos que se cuidem e as palavras que pedi para fixar, mas não para assumir na prática, “complacência e desleixo” faz sentido contrariá-las.

Com a Covid-19 não há calor que salve ninguém, nem decretos, nem tom de pele, como se dizia no início, que salve quem quer que seja. Nem mais dinheiro, nem mais ou menos poder.

O segredo chama-se vigilância (os angolanos devem recuperar esta palavra de ordem), ou seja, cuidados a todo o momento, tudo o que vá contra isso, complacência e desleixo. São palavras para fixar, atitudes para evitar.

error: Content is protected !!