“Estamos perante uma tentativa de fraude e as 200 crianças desnutridas não existem”

Estas foram as palavras da activista Laura Macedo, numa conferência de imprensa, ontem, em Luanda, sobre a investigação do caso dos “meninos de Cassanje”, uma reportagem passada no canal televisivo luso SIC, no dia 28 de Julho, que teria como fonte o jovem Hélder Silva

Em conferência de imprensa para o esclarecimento do caso “Meninos de Cassanje, uma reportagem passada no canal televisivo SIC no passado dia 28 de Julho, as activistas, Maria Pereira e Laura Macedo, envolvidas no resgate de quatro crianças, afirmaram estar perante uma tentativa de fraude que foi realizada em Portugal, uma vez que o apelo não foi feito às autoridades angolanas.

“As crianças são angolanas, somos angolanos, mas o apelo foi feito em Portugal pelo senhor Hélder Silva, aos portugueses. A Fraude vem de Portugal e envolve uma alegada senhora que se chama Fátima, contou-me o senhor, Hélder”, afirmou Laura Macedo.

Conta que no seguimento dessa reportagem emitida pela SIC Internacional após denúncia de uma casa de oração em Olhão, no Algarve, em Portugal, que procura angariar donativos para um grupo de 200 crianças abandonadas num barracão, foi contactada pela SIC, que forneceu o número de Hélder, de forma a encontrar a localização das mesmas.

Na sequência, conta, Laura Macedo entrou em contacto com várias entidades governamentais de forma a obter o apoio necessário para o resgate urgente das crianças e no dia 29 de Julho dirigiu-se com a sua amiga Maria Helena ao encontro de Hélder, na zona da Estalagem, para que o mesmo lhes indicasse o local onde estavam as crianças.

Hélder, fazendo-se acompanhar por um amigo, levou-as ao bairro da Cassaca entre o Zango 4 e o Calumbo, à casa dos familiares de uma das crianças que aparecia no vídeo e, durante o percurso, foram-se apercebendo de que as crianças haviam sido recolhidas das casas de suas famílias e colocadas num local para que pudessem fazer o vídeo, a pedido da senhora Fátima, da casa de oração “Pedacinho do Céu”.

Laura conta que constataram que não existia qualquer barracão ou armazém onde estariam as 200 crianças e após o vídeo as crianças voltaram para junto dos seus familiares.

Quatro crianças resgatadas e internadas na Pediatria e no Hospital do Prenda

A activista disse que, no dia 29, quatro crianças que aparecem no vídeo foram resgatadas por elas em dois bairros (Bairro Cassaca 2 e Zango 3) por apresentarem necessidades de cuidados médicos urgentes. Sendo que as mesmas foram encaminhadas para o Hospital Pediátrico, em ambulâncias do INEMA em conjunto com a Direcção Nacional de Saúde Pública.

Uma das crianças do sexo feminino, por ser maior de 14 anos de idade, foi transferida para o Hospital do Prenda, mas acompanhada por elas e durante todo este processo estiveram sempre em contacto com as entidades sanitárias acima referidas.

As activistas lamentam a contra-informação

“Esta conferência de imprensa surge na sequência da nossa indignação ao tomarmos conhecimento da peça jornalística apresentada pela Televisão Pública de Angola, no jornal da noite do dia de 29, uma vez que todo este processo foi realizado com o conhecimento de organismos pertencentes ao Governo de Angola, fazendo notória a falta de colaboração e troca de informação entre as várias entidades”, disse.

As activistas lamentam a contra-informação que tem estado a circular, em que a maior preocupação das autoridades e utilizadores das redes sociais é responsabilizar o jovem Hélder. Esta reacção tem causado a perda do rasto de Hélder e inviabilizado a localização e possível resgate, para acompanhamento médico, das outras crianças.

Reiterou que a localização das quatro crianças só foi possível com a colaboração do jovem Hélder Silva.

error: Content is protected !!