Comandante municipal da Polícia em Benguela é agredido em casa e faz disparos ao ar

O superintendente-chefe Pinto Caimbambo, director do Gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa da delegação do Ministério do Interior (MININT) em Benguela, diz que, por cautela, foi aberto um processo de averiguação, com carácter de urgência, de modo a se apurarem as circunstâncias reais em que os factos ocorreram.

O comandante da Polícia Nacional no município de Benguela, inspector-chefe Filipe Cachota, foi agredido na sua própria residência, por volta das 23 horas, de Domingo, e efectuou dois disparos ao ar para inibir o seu agressor, que se fazia acompanhar de uma senhora, diz a delegação do Ministério do Interior (MININT) em Benguela.

A delegação do MININT esclarece, em nota enviada a O PAÍS, que o inspector-chefe Filipe Cachota teria sido surpreendido pelo cidadão que o pretendia agredir em sua casa e, por isso, efectuou dois disparos, contrariando as informações postas a circular segundo as quais fêlos na via pública.

Nesta perspectiva, esclarece, preliminarmente, que Filipe Cachota estava em casa a descansar, quando teria sido importunado pelo bater ruidoso no portão de forma violenta e insistente. Por não ser comum, levantou e foi se inteirar sobre o que se estava a passar. Ao abrir o portão, Cachota deu conta da presença de um cidadão acompanhado de uma senhora.

De imediato, de acordo com a nota de imprensa, o cidadão insurgiu-se contra o comandante Cachota, agredindo-o no interior de sua residência. Para pôr termo a agressão de que vinha a ser vítima, Filipe Cachota decidiu efectuar dois disparos para o ar, visando advertir o cidadão agressor e obrigá-lo, assim, a se retirar da residência.

“Porém, o cidadão em causa insistia na sua pretensão de agressão. Assim, o comandante municipal abandonou a residência para evitar o pior, dado que os dois disparos ao ar não terem sido suficientes para conter a fúria do referido cidadão”, lê-se na nota.

O documento sublinha que, de seguida, o comandante municipal notificou uma patrulha para se dirigir à sua casa. Entretanto, quando os efectivos se fizeram ao local, já o casal se tinha ido embora.

Por os factos até aqui expostos não estarem lá muito bem esclarecidos, a nota do MININT, assinada pelo superintendente-chefe Pinto Caimbambo, director do Gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa, ressalta que, por cautela, foi aberto um processo de averiguação, com carácter de urgência, de modo a se apurar as circunstâncias reais em que os factos ocorreram.

Saliente-se que, segundo denúncias da página do activista social, Sabalo Salazar, tornadas públicas Segunda-feira, o comandante municipal teria sido flagrado no interior de sua residência, no bairro da Fronteira, pelo marido de uma jovem com quem estaria, supostamente, a ter um relacionamento amoroso.

Constantino Eduardo, em Benguela

leave a reply