Maianga lidera número de casos da Covid-19 com 16 por cento

O secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda, anunciou, ontem, em Luanda, a infecção de mais 27 pessoas e duas mortes por Coronavírus, todos da província de Luanda. Por outro lado, revelou que o município da Maianga é o mais afectado com 16 por cento dos casos activos e depois o de Belas com 14

As autoridades sanitárias registaram, nas últimas 24 horas, 27 novos infectados e dois óbitos. Os infectados têm entre 14 e 86 anos, dos quais 21 são do sexo masculino e seis do feminino.

Franco Mufinda, que falava na habitual apresentação diária do balanço da situação epidemiológica no país, informou também que não houve nenhum caso recuperação.

No entanto, mais duas pessoas perderam a vida em consequência da Covid-19. Trata-se de duas cidadãs angolanas, uma com 56 e outra 76 anos. As mortes ocorreram em Luanda.

Quanto às localidades em que estão os 27 novos infectados da província de Luanda, o responsável esclareceu que são os municípios da Samba, Maianga, Belas, Kilamba Kiaxi e Cazenga.

Com estes novos casos, o país tem um total de 1.906 casos confirmados, com 628 recuperados, 88 mortos e 1.190 activos, dos quais quatro estão em estado crítico com ventilação mecânica invasiva, 25 em estado grave, 25 moderado, 20 com sintomas leves e 1.116 assintomáticos.

“Olhando a realidade de Luanda no tocante a este cumulativo de 1.906 casos até hoje registados, podemos tirar as seguintes ilações: Maianga passa a liderar o quadro com 16 por cento dos casos”, afirmou.

Por outro lado, Franco Mufinda disse que a seguir estão o Belas com 14 por cento, as Ingombotas com 12, Talatona 11, Viana 10 e o restante está repartido nas diferentes localidades.

País com mais de 49 mil amostras processadas por RT-PCR

O governante explicou que em termos laboratoriais, em análises da biologia molecular por RT-PCR, o país processou, nas últimas 24 horas, 290 amostras, dos quais 27 foram positivas. Existe um acumulado de 49.385 amostras processadas até a presente data, sendo 1.906 positivas.

Franco Mufinda disse, por outro lado, que, no período em referência, 11 pessoas receberam altas: oito na província do Cuando Cubango, uma de cada no Cuanza Sul, Uíge e Malanje.

O Centro Integrado de Segurança Pública (CISP) teve, nas últimas 24 horas, um registo de 46 chamadas, das quais uma denuncia de violação da cerca sanitária e 45 pedidos de informação sobre a Covid-19.

Entre as actividades realizadas por províncias, o Bié, Huambo, Lunda Sul e Cuanza Sul reportaram actividades atinentes ao envio de amostras na província de Luanda para feitura da biologia molecular, bem como a realização de formação, comunicação e educação no seio da comunidade sobre a Covid-19.

Isolamento domiciliar depende da aceitação dos demais membros da família

Franco Mufinda recordou o início do processo de descentralização da quarentena domiciliar e o isolamento domiciliar que começou no passado dia 15 do corrente mês, sublinhando que só vai para este tipo de quarentena as pessoas que regressam ao país na condição de angolano e expatriados residentes no país.

Por outro lado, recordou que os expatriados não residentes farão a quarentena institucional com seguimento das entidades sanitárias públicas até completarem os sete dias para terem acesso a alta.

No entanto, frisou que o isolamento será feito à pessoa que tenha evidência do SARSCoV-2, com a garantia das condições criadas, como um quarto privado com arejamento e aceitação dos demais elementos da família que devem concordar.

“Caso não haja concordância, temos os nossos centros no Calumbo para poder dar continuidade de isolamento e tratamento”, esclareceu.

Sublinhando que todo o acompanhamento será feito pelas brigadas de vigilâncias comunitária que a todo momento vão depender das administrações que serão criadas por elas.

leave a reply