Luanda dá início hoje ao recenseamento Agro-Pecuário e Pescas

Ao nível da província de Luanda, o Recenseamento Agro-Pecuário e Pescas (RAPP), começa hoje 16 de Agosto , no Cabo Ledo, município da Quiçama e vai contar com cinco equipas

O director da Agricultura e Pescas, Vladimir Catinda, referiu que a pesquisa vai servir para recolher informações no ramo da agricultura, pescas e agro-pecuária, com o intuito de saber quem produz, aonde estão localizados, tipo de produto, dificuldades, escoamento, armazenamento e o rendimento.

“As informações do RAPP vão permitir ao Executivo traçar políticas ligadas à agricultura e pescas, e diminuir a quantidades de produtos importados”, disse.

Vladimir Cantinda comentou que, no terreno estão disponíveis cinco equipas, cada uma delas formada por sete membros, que vão trabalhar nos municípios excepto o Cazenga.

“No município de Luanda temos actividade piscatória, na Quiçama agricultura e pescas, em Viana, concretamente na área do Calumbo, igualmente regista-se agricultura e pesca, e nos demais municípios”, lembrou.

O RAPP é o primeiro censo de recolha, processamento e disseminação de dados dessas três áreas no período pós-independência e irá abranger todo o país.

Coordenado pelo INE, tendo como órgãos coadjuvantes os Ministérios da Agricultura e das Pescas e, ainda, apoio técnico do Fundo das Nações Unidas para a Agricultura (FAO).

Por outro lado, vai permitir também saber a distribuição geográfica do gado e das aves, assim como o volume de pescado produzido, dentre outros dados.

Cerca de 825 recenseadores estarão em campo em todas as 18 províncias, onde contarão com apoio de estruturas nas províncias e municípios.

Os técnicos do INE contarão ainda com os reforços das autoridades tradicionais, os sobas, que darão apoio na sensibilização das comunidades para que seja percebida a importância do RAPP e da qualidade da colecta a ser feita junto aos agregados familiares entrevistados na amostragem.

Fase Piloto

Antes de entrar em campo, o RAPP realizou uma experiência piloto em cinco província: Cuanza-Sul, Benguela, Uíge, Cunene e Moxico, executada no campo por 70 recenseadores, divididos em 10 equipas.

Nesta fase, foram aplicados quatro tipos diferentes de questionários: de listagem dos agregados familiares nas aldeias; comunitário ou das aldeias; das explorações agropecuárias e piscatórias familiares; e das explorações modernas ou das médias e grandes empresas agro-pecuárias e aquícolas.

O trabalho do INE abrangeu ainda a elaboração dos documentos técnicos (plano de tabulação, questionários, metodologias, estratégias e manuais de instruções); avaliação dos questionários (teste inicial); teste dos questionários, metodologias e estratégias e revisão dos questionários. Operação de recolha de dados das três áreas é inédita no período pós-independência.

 O RAPP será realizado em quatro momentos, começando pela aplicação do questionário comunitário ou das aldeias para identificação das infra-estruturas e serviços básicos, caracterização de fenómenos meteorológicos anormais e dificuldades para produzir e escoar produtos do campo.

Em seguida, será o momento da aplicação do questionário de listagem dos agregados familiares, para identificar e localizar os que se dedicam por conta própria à actividade agro-pecuária e piscatória.

As duas outras etapas serão para a aplicação do questionário das explorações familiares para caracterizar as explorações, uso da terra e as práticas agrícolas e, por fim, a aplicação do questionário das explorações empresariais.

Segundo dados da equipa técnica do INE, para os questionários comunitário ou das aldeias e de listagem serão visitadas todas as aldeias do país e todos os seus agregados familiares.

 Para o questionário da exploração familiar, o universo estimado é de mais de 2.700.000 agregados, em todo o país. Já entre os que praticam actividade agrícola por conta própria, será inquirida uma amostra da ordem de 52.552 famílias.

leave a reply