Franco Mufinda anuncia recuperação de 62, infecção de 24 e uma morte por Covid-19, até ontem

O secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda, anunciou, ontem, em Luanda, a infecção de mais 24 pessoas e a morte de uma anciã de 84 anos de idade por Coronavírus. Por outro lado, mais 62 pessoas recuperam, nas últimas 24 horas, perfazendo um total de 804 recuperados e 94 óbitos

As autoridades sanitárias registaram, nas últimas 24 horas, 24 novos infectados, dos quais sete do município do Soyo, província do Zaire, seis de Cabinda e um em Caxito no Bengo. os restantes são de Luanda.

Quanto às localidades, os novos infectados da província de Luanda estão distribuídos entre aas Ingombotas, Viana, Maianga, Samba e Kilamba Kiaxi.

Franco Mufinda, que falava na habitual apresentação diária do balanço da situação epidemiológica no país, disse que os novos infectados têm idades compreendidas entre 12 e 57 anos, sendo 17 do sexo masculino e sete do sexo feminino.

No entanto, mais uma anciã angolana de 84 anos de idade, residente no município de Viana, em Luanda, perdeu a vida, ontem, em consequência da Covid-19. A mesma era hipertensa e cardiopata.

Franco Mufinda contou que nas últimas 24 horas conseguiram recuperar 62 pessoas, todos da província de Luanda.

Com estes novos infectados, a estatística em Angola indica um total de 2.068 casos positivos, com 94 óbitos, 804 recuperados e 1.170 casos activos. Dos activos, quatro estão em estado crítico com ventilação mecânica invasiva, 14 em estado grave, 31 moderado, 29 com sintomas leves e 1.029 assintomáticos.

Mais de 600 amostras processadas por RT-PCR nas últimas 24 horas

Nas últimas 24 horas foram processadas 632 amostras no laboratório de biologia molecular por RT-PCR, das quais 24 positivas e 608 negativas.

No total já foram processadas por RT-PCR 52.239 amostras, das quais 2.068 foram positivas e 50.171 negativas.

O governante explicou que, no período em referência, 62 pessoas obtiveram altas, respectivamente 41 na província de Luanda, oito em Benguela, sete no Cuanza Sul, quatro em Malanje e duas no Bié.

O Centro Integrado de Segurança Pública (CISP) teve, nas últimas 24 horas, um registo de 97 chamadas, das quais uma denúncia de um caso suspeito de Covid-19, quatro denúncias de violação do estado de calamidade e 92 pedidos de informação sobre o vírus.

Cabinda ganha hospital de campanha

Franco Mufinda informou que ontem que, na província de Cabinda, o Coordenador da Comissão Multissectorial de Prevenção e Combate à Covid-19, Pedro Sebastião, procedeu a entrega do hospital de campanha.

Por outro lado, contou que continuam com a testagem de Agentes da Polícia Nacional. Até ontem 4.200 pessoas já tinham sido testadas, faltando apenas 5.800 para completar os 10 mil prometidos.

Cerca de 600 cidadãos provenientes de Portugal cumprem quarentena domiciliar

O vice-governador para o sector Político e Social, Dionísio da Fonseca, que falou sobre a quarentena domiciliar que se vive em Luanda desde o dia 15 do corrente mês, revelou que a província de Luanda controla neste momento 592 cidadãos provenientes de Portugal que estão a cumprir a quarentena domiciliar.

No entanto, o responsável disse que 77 por cento são cidadãos adultos e 23 crianças. A maioria são moradores de Talatona, com 33 por cento. Dionísio Fonseca sublinhou que estes podem não estar infectados até ao sétimo dia, onde serão submetidos a um novo teste, porque antes fizeram um teste de pré-embarque.

O vice-governador reforçou a necessidade das Comissões e Conselhos de Moradores, bem como a população em redobrar a vigilância para denunciar os cidadãos que tentarem violar a quarentena domiciliar, apelando aos Conselhos de Moradores, bem como comissões e a população em geral, no sentido de ajudarem a evitar o estigma.

“As pessoas devem ser participes no processo de vigilância comunitária e os principais fiscalizadores do cumprimento da quarentena domiciliar desses cidadãos que estão nas nossas localidades”, pediu.

Relativamente ao processo de testagem, informou que diariamente, em média, o Governo da Provincial de Luanda tem realizado 500 testes, sobretudo camionistas e outros que queiram movimentar-se fora de capital.

No entanto, lembrou que o decreto prevê, entre outras situações, a entrada e saída para prestação de serviços urgentes, situação humanitária, doença, óbitos, e outras situações determinadas pelas autoridades competentes. “Nosso apelo vai às pessoas que forçam a testagem a facilitarem o trabalho das equipas em campo”, pediu.

leave a reply