Covid-19 força cancelamento do acto central dos 45 anos da Independência

Em recompensa, a Comissão Interministerial definiu as celebrações com actos de natureza simbólica que não envolvam a participação massiva de cidadãos e não se constituam em foco de propagação da pandemia que em Angola já conta acima das duas mil infeções

A Comissão Interministerial para a organização das comemorações relativas aos 45 anos da Independência Nacional, comemorados a 11 de Novembro deste ano, cancelou o acto central previsto para o Memorial António Agostinho Neto, em Luanda, por força da Covid-19.

Segundo a Comissão, o cancelamento justifica-se pelo facto de ona situação epidemiológica no país, motivada pela pandemia Covid- 19, não favorecer e as recomendações das autoridades sanitárias quanto à necessidade de se evitar a realização de acções que potenciem a disseminação do vírus.

Neste sentido, em nota, a Comissaõ refere que foram cancelados os desfiles cívico e militar inicialmente programados como principais atractivos do acto central das celebrações do 45º aniversário da Independência Nacional.

Em consequência, a Comissão marcou as celebrações com actos de natureza simbólica que não envolvam a participação massiva de cidadãos e não se constituam em foco de propagação da pandemia Covid-19.

Decidiu, também, reestruturar a campanha de comunicação, adaptando-a ao contexto de toda a estratégia de marketing, nomeadamente a produção de material de propaganda, a publicidade, a música oficial e todos os demais aspectos, devendo os departamentos ministeriais competentes dar o devido tratamento.

Foram igualmente reconfigurados os actos provinciais, tornando as celebrações locais actos simbólicos sem a participação massiva de cidadãos, evitando assim que se convertam em foco de disseminação da Covid-19.

As celebrações no exterior, nomeadamente nas missões diplomáticas e consulares de Angola, em harmonia com as recomendações ora efectuadas para os actos a realizar no país, foram também reconfiguradas.

“A Comissão Interministerial continuará a trabalhar no sentido de garantir que as acções comemorativas do 45º Aniversário da Independência Nacional decorram, enquanto marco de transcendental importância para a memória colectiva do povo angolano, num clima de harmonia”, ressalta a nota.

Negociação

De acordo com fontes deste jornal, nos próximos dias será criada uma equipa que deverá analisar as nuances do contrato que ditou a escolha da empresa encarregue de gravar a música oficial para as festividades do 45º aniversário da independência.

Avaliado em 148 milhões de Kwanzas, a opção recaiu à Karga Eventos, do rapper Big Nelo, gerando uma forte contestação a nível da sociedade.

‘A comissão vai criar uma equipa técnica que vai suprir as insuficiências técnicas e financeiras”, contou a fonte deste jornal, assegurando que, quanto à música, o valor deverá reduzir.

leave a reply