China e EUA discutem trégua na guerra comercial entre os dois países

Representantes dos estados unidos e da China abordaram, ontem Terça-feira, durante uma reunião por telefone, o reforço da coordenação das políticas macroeconómicas entre os dois países, visando pôr fim à guerra comercial

A informação foi avançada pelo Ministério do Comércio da China, que não deu mais detalhes sobre a reunião, realizada no âmbito do acordo “Fase 1”, que permitiu uma trégua na prolongada guerra comercial entre Pequim e Washington. O Governo chinês tem apelado a Washington, desde pelo menos 2016, por uma coordenação das políticas macroeconómicas entre as duas maiores economias do mundo. Estas políticas podem incluir crescimento económico, criação de emprego, inflação e comércio.

Na reunião participaram o vice-primeiro- ministro da China Liu He, o representante do Comércio dos EUA, Robert Lighthizer, e o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, disse o ministério. “Os dois lados mantiveram um diálogo construtivo sobre o reforço da coordenação das políticas macroeconómicas entre os dois países e a implementação do acordo ‘Fase 1’”, informou, em comunicado. Segundo o acordo, assinado em Janeiro, a China comprometeu-se a importar um total de 200 mil milhões de dólares (180 mil milhões de euros) em bens oriundos dos Estados Unidos, incluindo produtos agrícolas, para reduzir o défice comercial entre os dois países.

Pequim comprometeu-se ainda a não manipular o valor da moeda e a proteger a propriedade intelectual das empresas norte-americanas, em troca de uma suspensão parcial das taxas alfandegárias impostas por Washington sobre bens importados da China. O acordo não anulou a maior parte das taxas punitivas impostas pelos EUA sobre 360 mil milhões de dólares (323 mil milhões de euros) de produtos importados da China e excluiu reformas profundas no sistema económico chinês, incluindo a atribuição de subsídios às empresas domésticas, enquanto as protege da competição externa.

Os Estados Unidos mantiveram assim taxas alfandegárias adicionais de 25% sobre 250 mil milhões de dólares (quase 225 mil milhões de euros) de bens importados da China e de 7,5% sobre mais 120 mil milhões de dólares (quase 110 mil milhões de euros). A trégua exigiu que as negociações continuassem após seis meses, mas estas foram adiadas devido à pandemia do novo coronavírus. Uma reunião agendada para a semana passada deveria ter sido realizada por videoconferência, mas foi adiada.

leave a reply