Kremlin refuta pedidos para investigar doença de Navalny e questiona envenenamento

O Kremlin garantiu, ontem, Terça-feira, que não vê necessidade de investigar as circunstâncias que causaram a doença grave do político opositor Alexei navalny, por ora, e que o diagnóstico inicial de envenenamento de uma clínica alemã ainda não é conclusivo, noticia a reuters

Na Segunda-feira, a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, pediu à Rússia para investigar o suposto envenenamento e responsabilizar os perpectradores depois que médicos alemães encontraram indícios de uma substância tóxica no organismo do opositor. Mas o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que a clínica alemã não identificou de forma conclusiva a substância por trás da doença de Navalny e que não está claro por que os médicos alemães estão “se apressando” em usar a palavra envenenamento. “É preciso haver uma razão para uma investigação.

No momento, tudo que vocês e eu vemos é que o paciente está em coma”, disse Peskov aos repórteres em uma teleconferência. Ele acrescentou que se um envenenamento for estabelecido de forma definitiva como a causa, uma investigação será iniciada. “Se a substância for identificada e se determinar que foi um envenenamento, então, é claro, isto será uma razão para uma investigação”. As exigências por um inquérito estão aumentando. A ministra das Relações Exteriores da Suécia, Ann Linde, twittou ontem Terçafeira que as “circunstâncias a respeito do suposto envenenamento de @navalny precisam ser esclarecidas por uma investigação independente”.

Na noite de Segunda-feira, Josep Borrell, o principal diplomata da União Europeia, também pediu à Rússia que investigue. Navalny, um crítico explícito do presidente russo, Vladimir Putin, foi levado à Alemanha para tratamento no Sábado após desmaiar num avião quando voava da Sibéria de volta a Moscovo. Ainda na segunda-feira, médicos alemães que tratam Navalny num hospital de Berlim disseram que os exames indicaram envenenamento com algum tipo de inibidor de colinestera-se, mas ainda não se conhece a substância específica.

leave a reply