“A minha aventura Chevening no Reino Unido”

“Chamo-me Ana Albino Julante Constantino, bolseira do programa Chevening de 2019/2020 a fazer o mestrado em Segurança Cibernética na City, Universidade de Londres.

A minha verdadeira jornada Chevening começou em 2016, quando estava no último ano da minha licenciatura em Ciências de Computação e Matemática em Wartburg College nos Estados Unidos da América. Naquela altura, por intermédio de alguns bolseiros Angolanos de Chevening e de outros países, ouvi falar da bolsa Chevening pela primeira vez. Enquanto investigava sobre o funcionamento do programa de bolsas Chevening, também aprendi mais sobre o sistema de ensino no Reino Unido. Na altura já sabia da excelência da educação em universidades Britânicas, mas fiquei completamente fascinada ao saber que além do rigor e reputação, as mesmas também permitiam a conclusão do programa de mestrado em apenas um ano, metade do tempo exigido por universidades em outros países. Isso estimulou a minha curiosidade em aprender mais sobre a Chevening e posteriormente a decisão de me candidatar.

Empolgada, submeti a minha candidatura que avançou com sucesso até à fase de entrevistas, mas infelizmente não recebeu aprovação final. Acreditava que a minha candidatura estava a altura mas falhara em compreender que Chevening é um programa de bolsas internacionalmente reconhecido e, portanto, a competição é muito elevada. Foi assim que dois anos depois voltei a submeter a minha candidatura, desta vez mais forte, com planos para o futuro mais coerentes e referências mais robustas que me garantiram a aceitação na classe Chevening 2019/2020.

Foi um desafio bom e, hoje, na reta final do meu programa de mestrado, posso dizer que valeu a pena. Valeu a pena não ter desistido à primeira tentativa, valeu a pena me reinventar para encarar o desafio e com certeza valeu a pena a experiência Chevening numa das melhores universidades Londrinas. Posso dizer que tive uma experiência muito boa na City, Universidade de Londres onde tanto o corpo docente como estudantil é bastante culturalmente diverso. Para terem uma ideia, todos os professores no meu curso têm nacionalidades diferentes trazendo perspectivas diferentes e dando um toque muito especial à aprendizagem.

A minha localização no coração de Londres, garantiu-me o privilégio de aprender dos melhores pesquisadores e ter maior contacto com a indústria de segurança cibernética enquanto estudava. No entanto, é necessário levar em consideração que Londres é significativamente mais cara que outras cidades e que, portanto, os bolseiros que escolham universidades Londrinas devem possuir boa capacidade de gestão das suas finanças providenciadas pela bolsa Chevening.

Uma boa formação e uma excelente experiência em Londres não é tudo que Chevening me ofereceu. Das minhas reflexões sobre o futuro pós-Chevening, parte essencial para o processo de candidatura, surgiu o desejo de criação da Kondama, empresa de Segurança Cibernética que agora já tem nome e identidade e que brevemente será oficialmente apresentada ao mercado Angolano. Kondama é uma palavra em língua nacional Kimbundu referente ao acto de ser, estar ou ficar seguro. Sendo a Kondama uma empresa de Segurança Cibernética cujos valores incluem a valorização do potencial nacional, quer em forma de talentos ou recursos, a escolha do nome faz todo sentido porque nos remete a pensar em “segurança” enquanto nos lembra da importância da valorização do que é nosso. Kondama vem para ajudar a cobrir algumas lacunas ainda visíveis na segurança do espaço cibernético Angolano. Oferecemos variados serviços na área de segurança cibernética desde auditoria e consultoria de segurança, infraestrutura de segurança, testes de intrusão (pentest), segurança de aplicativos web e elaboração de políticas de segurança, treinamento de pessoal e muito mais. Para além de me focar em terminar o Mestrado, tenho aproveitado o período de quarentena para organizar-me de modo que dentro de alguns meses, querendo Deus, possa fazer o lançamento oficial da Kodama no mercado Angolano. Segurança cibernética ainda é um ramo relativamente novo em Angola. Infelizmente, temos poucos profissionais nessa área dos quais um número ainda menor tem competências suficientes para actuar como especialista em segurança cibernética. Kondama visa tornar mais acessíveis os serviços de segurança cibernética em Angola, serviços estes que antes eram maioritariamente confiados a empresas estrangeiras. Pretendo assim, impulsionar a pesquisa neste ramo e levar a cabo projectos de literacia digital em colaboração com empresas e o nosso Governo, visto que a literacia digital é uma prioridade. O meu principal objectivo é influenciar positivamente o índice global de segurança cibernética em Angola.

Sem sombra de dúvidas o Chevening é uma porta que se abriu para que eu pudesse explorar o melhor de mim para apoiar o desenvolvimento do meu país. Por isso faço questão de me tornar uma defensora do programa e ressaltar que Chevening é das poucas bolsas de estudo que não tem limites de idades, ou qualquer outro factor discriminatório. As candidaturas para o Chevening 2020 estarão abertas de 3 de Setembro a 3 de Novembro. Por isso, o que esperas para te candidatares? #MyCheveningJourney Para mais informações: www. chevening.org

POR: Ana Albino Julante

leave a reply