Mais uma baleia encontrada morta nas praias do país

Uma baleia filhota fêmea, da família Baleen Whaler, de cinco metros, foi encontrada morta ontem, nas encostas do terminal da Sociedade Gestora de Terminais, em Luanda. Trata-se da segunda baleia encontrada morta no país em menos de um mês

As autoridades marítimas removeram o corpo do mamífero, de nome científico Humpback Whaler ou Jubarte, em avançado estado de putrefacção, e encaminharam para o aterro sanitário dos Mulevos, em Viana.

Por se tratar de uma ocorrência incomum, foi criada uma comissão multissectorial, constituída por técnicos do Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente, do Governo da Província de Luanda, do Instituto de Investigação Pesqueira, do Serviço de Protecção Civil e Bombeiros e do Museu de História Natural.

A comissão tem incumbência de investigar as causas da morte, de acordo com informações a que OPAÍS teve acesso.

De realçar que no dia 29 de Julho, os pescadores que frequentam a zona balneária do “Pequeno Brasil”, na costa de Benguela, se depararam com uma baleia adulta, de 17 metros de cumprimento e um de largura, encalhada, já morta, conforme noticiou este jornal na edição de 31 do referido mês.

Na ocasião, o ambientalista João Buaio explicou que as baleias, por norma, vivem em latitudes mais altas, zonas bem próximas aos pólos. Como neste período naquelas zonas as águas são quentes, e as nossas frias, a tendência é deslocarem-se devido à movimentação do cardume.

Falando concretamente sobre a ocorrência de Benguela, o ambientalista disse que a corrente fria desta província, por influenciar a movimentação de peixes, estaria na base do aparecimento da baleia na costa.

“Durante esse percurso, podem ter acidentes com embarcações ou ficar presas em redes de pescas ou comer um objecto que lhes podem influenciar para a saúde”, explicou.

leave a reply