Ministro da Agricultura quer vias nas zonas de produção

O ministro da Agricultura e Pescas, Francisco de Assis, defende que os governos provinciais devem trabalhar na melhoraria das vias de acesso às zonas de produção. O objectivo é reduzir as perdas pós-colheitas

Francisco de Assis falava na “Feira do Campo” que decorre na Quibala, provincia do Cuanza-Sul, iniciativa que visa estimular a cadeia de produção, permitir o auto-sustento dos agricultores familiares, elevar a produção das associações agrícolas, cooperativas e dos fazendeiros. O ministro da Agricultura diz ser necessário reduzir ao máximo as perdas pós-colheita, dai que os governos provinciais e as administrações municipais podem desempenhar um papel crucial com a reabilitação das vias rurais”, frisou o ministro na feira que encerra hoje. Francisco de Assis referiu que “a realização da feira demonstra que, a par do aumento da produção agrícola, é também prioridade do Governo o escoamento e a venda dos produtos”. O governante reafirmou a aposta do ministério que dirige na manutenção da assistência técnica aos agricultores, no fomento da produção agrícola, da actividade pecuária, florestas, pesca e na criação de condições de apoio logístico.

De acordo com Francisco de Assis, o ministério introduziu no país 990 tractores, 15 brigadas de engenharia rural, distribuídas pelas 18 províncias. A acção visa melhorar a preparação mecanizada de terras, tendo como base o relançamento de pequenas e médias empresas nesse segmento. Realçou que, “com um trabalho entre ministérios, baixar a taxa do Imposto sobre Valor Acrescentado (IVA), de 14 para cinco por cento, referente à importação de factores de produção na campanha agrícola 2019/2020. Adianta que, foram subvencionados cerca de 14.890 hectares e respectivas correcções de solos. Segundo Francisco de Assis, na campanha agrícola em curso foram distribuídos 30.139 toneladas de fertilizantes, 36.984 charruas de tracção animal, cerca de 1700 pequenos equipamentos agrícolas, incluindo moinhos e debulhadoras.

leave a reply