Erros de acomodação na origem das mortes do gado do Tchad , diz ministro

Depois de, num primeiro momento, ter atribuído as mortes a uma “peripneumonia contagiosa” , o  ministro da Agricultura e Pescas, António Francisco de Assis, disse esta quarta-feira(2) que  “erros técnicos na acomodação” dos animais estiveram na base das mortes de 105 das mil e 500 cabeças de gado bovino, provenientes da República do Tchad.

Falando no  município de Ambaca, província do Cuanza Norte,  António da Assis ressalvou  que foi a falta de infra-estruturas adequadas nas fazendas de colocação, medicamentos e falta de sistemas científicos de quarentena dos animais, que vitimaram os animais.

O ministro que visitou  a vila de Camabatela,  afirmou que  as mortes desses animais,  se deveram também à  falta de metodologias, de treinamento, rigor e de responsabilidade por parte dos criadores.

“Nós temos problemas estruturais sérios no país como a falta de medicamentos, vacinas, laboratórios e de veterinários, mas estamos a corrigir estes erros. Como por exemplo as pessoas para receberem o gado deveriam previamente serem preparadas e isso não aconteceu”, garantiu.

Entretanto, o chefe do departamento provincial do Cuanza Norte do Instituto do Serviço de Veterinária, João Alfredo,  é citado pela Angop como tendo dito,  num  momento precisado, que  os animais começaram a morrer logo após a sua chegada naquele município, depois de terem estado em quarentena, no complexo agro-pecuário da Quiminha, província de Luanda, onde foram submetidos a análises laboratoriais para saber do seu estado sanitário.

 

leave a reply