Médico morre em esquadra da Polícia após detenção por não uso de máscara de protecção facial

Um médico angolano identificado por Sílvio Andrade Dala morreu, no passado dia 1 de Setembro numa esquadra da Polícia Nacional para onde havia sido levado depois interpelado sem o uso da máscara de protecção facial.

A Delegação do Ministério do Interior em Luanda já reconheceu, em comunicado, a ocorrência do incidente e assegurou que por imperativos legais, será efectuada autópsia ao cadáver para que se determine a causa da morte.

Entretanto, o  comunicado assinado pelo porta-voz de Luanda do   Hermenegildo de Brito cita a família do malogrado como tendo admitido que o jovem médico “padecia de hipertensão”.

O MININT, que   lamenta a morte do cidadão e endereça à família enlutada “os seus mais profundos sentimentos de pesar” explica que  o cidadão em causa foi conduzido a uma unidade policial no dia 01 de Setembro de 2020 pelas forças da ordem por circular na via pública sem máscara.

Segundo a nota, “após dirigir-se à Esquadra dos Catotes, no Rocha Pinto, foi-lhe explicado os moldes de pagamento da multa e não tendo um ATM (multicaixa) nos arredores, telefonou a um familiar próximo para efectuar o pagamento da respectiva multa.

O falecido, segundo o comunicado apresentou sinais de fadiga logo a “minutos depois,  e começou a desfalecer, tendo uma queda aparatosa, o que provocou ferimentos ligeiros na região da cabeça. Esclarece que “devido ao seu estado grave, foi socorrido ao Hospital do Prenda e no trajecto acabou por perecer”.

O Sindicato dos Médicos de Angola na pessoa do seu  presidente do  Adriano Manuel, acusa a Polícia de excesso de zelo e exigiu uma ” profunda investigação sobre as reais causas da morte do médico”, alegando ter informações que dão uma versão diferente a da Polícia Nacional.

leave a reply