BAI desculpa-se por descontos e promete devolver dinheiro

O presidente da Comissão Executiva do Conselho de Administração do Banco Angolano de Investimentos, Luís Lélis, usou ontem as redes sociais facebook e instagram para se desculpar dos clientes por causa do ‘inconveniente causado pela forma como foi gerido o processo de regularização de comissões de manutenção de contas em moeda estrangeira.

“A avaliação é simples – erramos, gerimos de forma incompetente todo o processo, comunicando mal e criando ansiedade desnecessária aos nossos clientes. Por isso, peço humildemente desculpas e solicito que nos concedam a oportunidade para corrigir a situação”, explicou.

Segundo o responsável, ao longo do dia de ontem, Domingo, 6, à semelhança do que aconteceu no final da semana passada, “os nossos clientes foram surpreendidos com a recepção de mensagens de notificação de débitos referentes à cobrança das comissões de manutenção de contas em moeda estrangeira e o respectivo imposto de selo (I.S.) e imposto sobre valor acrescentado (IVA)”.

A cobrança e débito das comissões de manutenção estão estabelecidas no acordo geral, nos termos de prestação de serviços e preçário do banco. As cobranças são efectuadas sob todas as contas tituladas pelos clientes e com periodicidade trimestral Março, Junho, Setembro e Dezembro, segundo o responsável.

“Devido a erros de processamento interno (que, entre outros, inclui o facto de os clientes não terem provisão na conta), não foram efectuadas as cobranças em tempo devido e, na ânsia de se regularizar a situação, foi tomada a decisão de se cobrar postecipadamente (incluindo períodos já fechados contabilisticamente, i.e. 2017, 2018 e 2019)”, disse.

Apesar de reconhecermos algum mérito no argumento técnico de que existe fundamento para a cobrança postecipada, a verdade é que, se queremos oferecer a melhor experiência bancária aos clientes, devemos ser mais eficientes em tempo oportuno e procurando sempre evitar todo e qualquer tipo de comoção generalizada.

“Enquanto Presidente da Comissão Executiva do Conselho de Administração do Banco Angolano de Investimentos, SA, assumo total responsabilidade pelos erros cometidos e asseguro que iremos devolver a totalidade dos valores debitados nas contas dos clientes (comissões, imposto de selo e imposto sobre valor acrescentado) e, consequentemente, assumir o prejuízo pela nossa ineficiência”, rematou.

leave a reply