Insuficiência da base contributiva da Segurança Social inviabiliza implementação do subsídio de desemprego

O Executivo, por via da Ministra do Trabalho, Teresa Dias, assegura que, enquanto não houver uma revisão da taxa contributiva para a protecção social obrigatoria, que, actualmente, se cifra em 8 e 3 por cento para os empregadores e trabalhadores, respectivamente, não se afigura possível arriscar na implementação de um subsídio de desemprego sob pena de se colapsar a sustentabilidade do sistema da protecção social obrigatória, como exigem alguns políticos e membros da sociedade civil, embora seja, de igual modo, a pretensão do Executivo

A Ministra da Administração Pública, Trabalho e Segurança Social, Teresa Dias, disse, ontem, que o país não dispõe, actualmente, de condições para a criação de um fundo de desemprego.

Segundo a governante, nos últimos dias, face às dificuldades impostas pela Covid-19, que tem resultado na perda de postos de trabalho, cresce a exigência de vários segmentos da sociedade civil e políticos que apelam para a necessidade de criação de um fundo de desemprego para acudir ao grupo de cidadãos que, devido a dificuldades de vária ordem, carecem de um auxílio social e financeiro do Executivo.

De acordo com a ministra, compreendem-se as motivações da sociedade civil, que são legítimas, mas o país não dispõe de condições para o efeito.

Leia mais na edição em PDF do Jornal OPais Diário.

Faça já a sua subscrição!

Envie um e-mail para [email protected] e tenha acesso à todas as notícias na íntegra.

 

leave a reply

O Pais

Deve ver notícias