Erdogan ataca “ambicioso e incapaz” Macron por apoio à Grécia no Mediterrâneo Um grupo de países ricos, que representam 13% da população mundial, já adquiriu metade das futuras doses de vacina contra a Covid-19 em estudo, indicou um relatório da organização nãogovernamental oxfam, de acordo com o Jornal de Notícias Presidente turco Recep Erdogan ataca homólogo francês por apoio à Grécia Países mais ricos já reservaram metade das futuras doses de vacinas O objectivo destes países, que incluem os Estados Unidos da América (EUA), Reino Unido, UE e Japão, é garantir o fornecimento junto de múltiplos concorrentes, na esperança de que pelo menos uma das vacinas em estudo se revele eficaz, uma política que agrava as dificuldades que a maior parte da população mundial terá para conseguir vacinas, de acordo com o relatório, divulgado na Quarta-feira. Em Maio, os EUA assinaram vários contratos para garantir a produção e entrega de vacinas, caso os ensaios clínicos em curso sejam bem sucedidos, já a partir de Outubro, podendo ser distribuídas no prazo de 24 horas, após autorização sanitária. A empresa farmacêutica AstraZeneca, parceira da Universidade de Oxford, assinou a maioria destes contratos, mas a Sanofi, Pfizer, Johnson & Johnson, a empresa norte-americana de biotecnologia Moderna, o laboratório Sinovac na China e o instituto russo Gamaleia também venderam centenas de milhões de doses em todo o mundo, por vezes em parceria com fabricantes locais. Segundo a Oxfam, já foram assinados contratos com cinco destes fabricantes na fase 3 de ensaios clínicos para 5,3 mil milhões de doses, 51% dos quais para países desenvolvidos, incluindo, além dos EUA, Reino Unido, UE e Japão, também Austrália, Hong Kong, Suíça e Israel. Os números não incluem compras a fabricantes que estão ainda em fases inferiores no desenvolvimento de vacinas. O restante foi prometido à Índia (sede do gigantesco fabricante Serum Institute of India), Bangladesh, China, Brasil, Indonésia e México, de acordo com a Oxfam. Os Estados Unidos, com 330 milhões de habitantes, reservaram um total de 800 milhões de doses junto de seis fabricantes, enquanto a UE, com 450 milhões de habitantes, comprou pelo menos 1,5 mil milhões de doses, de acordo com uma contagem da DR

O Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, qualificou, ontem, Quinta- feira, o homólogo francês, Emmanuel Macron, de “ambicioso e incapaz”, no contexto da crise turco-grega no Mediterrâneo Oriental, em que a França apoia a Grécia. Segundo o Jornal de Notícias, numa vídeo-conferência com dirigentes locais do partido que lidera (Partido da Lei e Justiça), Erdogan defendeu a sua política externa e censurou, particularmente, o Presidente francês, que tem feito repetidas críticas à Turquia….

 

 

Leia mais na edição em PDF do Jornal OPais Diário.

Faça já a sua subscrição!

Envie um e-mail para [email protected] e tenha acesso à todas as notícias na íntegra.

leave a reply