Putin exalta, na ONU, esforço pela estabilidade global e empenho da Rússia na luta contra a Covid-19

Nesta Terça-feira (22), o presidente da Rússia, Vladimir Putin, discursou na 75.ª sessão da Assembleia Geral da ONU. Putin criticou o uso ilegal de sanções, pediu reformas no Conselho de Segurança, elogiou o papel da ONU e comentou sobre o desenvolvimento da vacina russa contra a Covid-19

O presidente russo, Vladimir Putin, destacou, no seu discurso, que os desafios económicos impostos pela pandemia da Covid-19 indicam a necessidade de livrar o comércio mundial de “sanções ilegítimas” e abordou o papel do Conselho de Segurança da ONU, afirmando que o órgão deve considerar os interesses de todos os Estados de forma mais ampla. “Nosso pensamento é que o Conselho de Segurança da ONU deve ser mais inclusivo com os interesses de todos os países, bem como da diversidade das suas posições, basear o seu trabalho no princípio do consenso mais amplo possível entre os Estados e, ao mesmo tempo, continuar a servir como a pedra angular da governação global […]”, destacou o presidente russo, ressaltando que o direito de veto dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança é um instrumento de prevenção de conflitos que “ajuda a prevenir acções unilaterais” e o “confronto militar directo entre grandes Estados”.

Putin elogiou a ONU pelo desempenho ao longo da sua existência, ressaltando o aniversário de 75 anos da organização, que coincide com a comemoração dos 75 anos desde o final da Segunda Guerra Mundial. Putin também alertou contra tentativas de revisar a história do conflito, o que chamou de “um crime contra a memória de quem lutou contra o nazismo”, destacando a Carta da ONU como “a principal fonte do direito internacional até hoje”. “Estou convencido que este aniversário obriga todos nós a relembrar os princípios atemporais da comunicação inter-estatal consagrados na Carta da ONU e formulados pelos fundadores da nossa organização universal nos termos mais claros e inequívocos. Esses princípios incluem a igualdade dos Estados soberanos, a não ingerência nos assuntos internos, o direito dos povos de determinar o seu próprio futuro, o não uso da força ou da ameaça de força e a resolução política de litígios”, afirmou.

Vacinação gratuita contra a Covid- 19 na ONU

Vladimir Putin destacou que a Rússia está “completamente” aberta e comprometida com a luta contra o novo coronavírus e propôs a realização de uma conferência online sobre vacinas com a participação de Estados interessados na cooperação para a criação de vacinas contra a Covid- 19. O presidente russo sinalizou que o seu país está pronto para compartilhar a sua experiência e continuar a cooperar com todos os Estados e entidades internacionais, incluindo os EUA, no fornecimento de uma vacina russa confiável, segura e eficaz. “O coronavírus atingiu os funcionários da Organização das Nações Unidas, a sua sede e estruturas regionais como todo mundo. A Rússia está pronta para fornecer à ONU toda a assistência qualificada necessária; em particular, estamos a oferecer a nossa vacina gratuitamente para a vacinação voluntária dos funcionários da ONU e dos seus escritórios. Recebemos solicitações dos nossos colegas da ONU a esse respeito e vamos responder-lhes”, disse o presidente russo.

Negociações de extensão do Tratado Novo START

Putin, durante o seu discurso, mencionou a questão da “importância primária” da extensão do Tratado de Redução de Armas Estratégicas (Novo START) entre a Rússia e os EUA, cuja vigência se encerra em Fevereiro de 2021.

leave a reply

O Pais

Deve ver notícias