Covid-19 impede lançamento presencial de obras dos “Filipes” Mukenga e Zau

A trilogia “Canto Terceiro da Sereia, o Encanto” e o livro “Marítimos”, de autoria de Filipe Mukenga e Zau, visam homenagear os 45 anos de Independência de Angola e os 66 do Clube Marítimo Africano

Devido às restrições impostas pela pandemia Covid-19, os autores Filipe Zau e Filipe Mukenga, deverão acompanhar Sábado, 26, a partir das suas residências, o lançamento do CD e do livro, que deverá ser feito no auditório da União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa, em Lisboa.

Filipe Mukenga lamentou o facto, embora tivessem feito o esforço para que o lançamento fosse presencial, mas, ainda assim, sente-se satisfeito pelo resultado alcançado, uma vez que foi bastante trabalhoso para que o CD e o livro chegassem às museotecas e bibliotecas dos utentes. “Levamos 14 anos para apresentar a primeira parte do projecto.

A Segunda parte foram cerca de 16 anos enquanto esta última parte, trabalhamos nela desde 2014 e terminamos em 2019 e só este ano será apresentada”, lamentou o artista.

O músico e compositor que falava em exclusivo para o jornal OPAÍS, fez, igualmente, saber que as dificuldades foram várias, pois faltaram apoios, o que dificultou em grande medida para que o trabalho fosse concluído, tendo acrescentado se fosse música comercial haveriam patrocínios.

 

Leia mais na edição em PDF do Jornal OPais Diário.
Faça já a sua subscrição!
Envie um e-mail para [email protected] e tenha acesso à todas as notícias na íntegra.

leave a reply