É de hoje…Não somos especiais!

Como um autêntico ping-pong, os casos de Covid 19 vão aumentando a cada dia que passa, originando um manto de preocupações sobre o futuro. Dos mais de 100 casos anunciados no início desta semana ou os mais de 50 de ontem, a pandemia não desarma. Espera- se que os cidadãos redobrem os cuidados, uma vez que parece que estamos à porta de atingir o temível pico da doença há muito aguardado. Apesar das responsabilidades que devem ser imputadas ao Executivo, só uma postura adequada dos cidadãos, respeitando as medidas e protegendo-se fará com que não cheguemos ao nível da tragédia que assistimos em alguns países europeus e americanos.

Vivendo já um período negro que apelidam de segunda vaga, quase toda a Europa vai adoptando medidas rígidas para que não passem pelo mesmo sufoco de há três ou quatro meses. A Espanha foi obrigada a decretar um novo estado de emergência, depois de já o ter feito há alguns meses. A Bélgica também adoptou medidas similares, encerrando inclusive vários estabelecimentos comerciais. Porém, a Polónia e a Itália são aqueles que a partir de hoje tendem a endurecer ainda mais as medidas tomadas anteriormente. Em todos os espaços públicos os cidadãos serão obrigados a usarem máscaras, por sinal um dos pontos mais críticos com que nos debatemos ao longo destes meses de combate à pandemia da Covid-19.

As autoridades italianas prometem multas, tal como aqui, só que serão menos benevolentes como muitos dos nossos concidadãos esperam que se aja. As multas são pesadíssimas, podendo atingir os 40 mil euros, principalmente para aqueles que estiverem contaminados e passarem para outras pessoas. E há mais: as autoridades italianas optaram por uma penalização de três a 18 meses de cadeia para os que insistirem em prevaricar. Do lado russo, nem sequer há voltas a dar.

‘O número de casos continuará a aumentar a menos que cada um tire as suas conclusões em relação ao uso da máscara e ao respeito pelas normas de higiene e sanitárias’, garante o Kremlin. E nós? As aberturas que o Executivo introduziu nos últimos dias, sobretudo com a permissão de viagens, espectáculos e outras actividades, não podem ser vistas como um tapete vermelho que refreie o controlo e afaste a punição daqueles que eventualmente infrinjam as regras estabelecidas. Longe vão os tempos em que nos achávamos especiais. A Covid-19 está à solta. E a cada dia que passa vai demonstrando que não tem escolha quanto às vítimas.