França adverte cidadãos a serem cautelosos como a raiva vê no mundo muçulmano sobre desenhos animados

A França alertou os seus cidadãos que vivem ou viajam em vários países de maioria muçulmana para tomar precauções extras de segurança, na Terça-feira, à medida que a raiva aumentava sobre os desenhos animados do profeta Maomé

Num sinal de que alguns países querem limitar as consequências, a Arábia Saudita condenou os desenhos animados, mas impediu-se de ecoar pedidos de outros Estados muçulmanos por um boicote a produtos franceses ou outras acções. A linha tem as suas raízes num ataque com faca fora de uma escola francesa a 16 de Outubro, no qual um homem de origem chechena decapitou Samuel Paty, um professor que havia mostrado aos alunos desenhos do profeta Mohammad numa aula cívica sobre liberdade de expressão. As caricaturas são consideradas blasfémias pelos muçulmanos. O Ministério das Relações Exteriores da França emitiu, na Terça-feira, conselhos de segurança aos cidadãos franceses na Indonésia, Bangladesh, Iraque e Mauritânia, aconselhando- os a ter cautela.

Eles devem ficar longe de qualquer protesto sobre os desenhos animados e evitar qualquer reunião pública. “Recomenda-se exercer a maior vigilância, especialmente durante as viagens, e em locais frequentados por turistas ou comunidades expatriadas”, disse. A embaixada francesa na Turquia emitiu conselhos semelhantes aos seus cidadãos lá. O presidente turco Tayyip Erdogan tem sido um dos mais críticos do governo francês, liderando os apelos por um boicote aos produtos franceses. O ministro francês do Interior, Gerald Darmanin, retrucou na Terça-feira que a Turquia e o Paquistão não se devem intrometer nos assuntos internos da França. Paris convocou o seu embaixador em Ancara e o parlamento paquistanês aprovou, na Segunda- feira, uma resolução pedindo ao governo que retire o seu enviado de Paris.

As imagens do Profeta foram publicadas, pela primeira vez, anos atrás por uma revista satírica francesa, cujos editoriais foram atacados em 2015 por pistoleiros que mataram 12 pessoas. Desde a decapitação do professor Paty este mês, os desenhos animados foram exibidos na França em solidariedade, irritando alguns muçulmanos. O presidente Emmanuel Macron, que se reuniu com representantes da comunidade muçulmana francesa, na Segunda- feira, prometeu combater o “separatismo islâmico”, dizendo que estava a ameaçar assumir algumas comunidades muçulmanas na França. A Arábia Saudita parecia estar a ter uma resposta moderada à controvérsia, afastando-se dos chamados de boicote. Um funcionário do Ministério das Relações Exteriores saudita disse, na Terça-feira, que o Estado do Golfo condena todos os actos de terrorismo, uma aparente referência à morte de Paty. “A liberdade de expressão e cultura deve ser um farol de respeito, tolerância e paz que rejeita práticas e actos que geram ódio, violência e extremismo, e são contrários à convivência”, disse o funcionário num comunicado.

O jornal Arab News, na Terçafeira, citou o chefe da Liga Mundial Muçulmana, Mohammed al-Issa, com sede na Arábia Saudita, como tendo advertido que uma reacção exagerada “que é negativa e vai além do aceitável” só beneficiaria “haters”. No entanto, os apelos por um boicote à rede de supermercados francesa Carrefour foram tendência nas redes sociais na Arábia Saudita. No Kouweit, alguns supermercados retiraram produtos franceses. Erdogan, da Turquia, pediu, na Segunda-feira, aos seus compatriotas que parassem de comprar produtos franceses e acusou a França de seguir uma agenda anti-Islão. A França é um grande exportador de grãos para, principalmente, a América do Norte muçulmana, e as empresas francesas nos sectores de automóveis também têm exposição significativa aos países de maioria muçulmana.

O ministro francês do Comércio, Franck Riester, disse que era muito cedo para colocar um número sobre o impacto de uma campanha de boicote, mas, até agora, foi limitado e afectou principalmente as exportações agrícolas francesas. O Ministério das Relações Exteriores do Irão convocou as acusações francesas sobre os desenhos animados, informou a mídia estatal na Terça-feira. Um funcionário do ministério disse ao diplomata, durante a sua reunião na Segunda-feira, que o Irão rejeitou fortemente “qualquer insulto e desrespeito ao Profeta do Islão”. Em Bangladesh, na Segunda- feira, manifestantes seguravam cartazes com a imagem do presidente francês e as palavras: “Macron é o inimigo da paz”.

leave a reply

error: Conteúdo Protegido!