o editorial: A linha férrea

o editorial: A linha férrea

Há três semanas, em Luanda ficou-se a saber que mais de 600 parafusos tinham sido retirados e acabariam por colocar em perigo a vida dos cidadãos que diariamente utilizam o comboio como meio de transporte para se deslocarem aos postos de trabalho.

É este mesmo meio de transporte, que se poderia sabotar na capital, reclamado por inúmeros cidadãos no interior para escoarem os seus produtos, principalmente os agrícolas com destino aos mercados dos grandes centros populacionais.

Na visita que efectuou às províncias do Cuanza-Norte e Malanje, o secretário de Estado dos Transportes, Jorge Benguy, ouviu reclamações neste sentido. Homens e mulheres, entre jovens e velhos, chamaram a atenção para a necessidade de se retomar a circulação do comboio.

O meio que muitos procuram desesperadamente para realizar as suas actividades e escoar os produtos é o que viu as suas linhas férreas quase comprometidas. Provavelmente por alguns que depois se manifestam descontentes com o elevado preço das mercadorias nos supermercados e mercados.